Rádio Observador

Arquitetura

Governo investe dois milhões de euros para projetos de investigação sobre a obra de Siza Vieira

264

Serralves, o Ministério da Ciência e a Tecnologia e o Ministério da Cultura formalizaram um programa que inclui dois concursos para apoiar projetos de investigação sobre a obra de Siza Vieira.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Maria Martinho

Até dia 16 de maio estão abertas as candidaturas para o primeiro concurso do Programa Integrado de Investigação e Desenvolvimento sobre a obra do Arquiteto Álvaro Siza Vieira, cujo protocolo foi assinado esta segunda feira pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Ministério da Cultura e a Fundação Serralves.

“Sinto-me particularmente interessado e satisfeito por ter sido lançado um programa de arquitetura e interdisciplinaridade que irá ter continuidade”, revelou aos jornalistas Siza Vieira no final do evento. O arquiteto portuense, com 70 anos de carreira, considera “oportuna” a iniciativa, acrescentando que “quem concorrer a isto e ganhar não terá que analisar os 70 anos, pode ficar-se por sete ou por um”.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior irá financiar os projetos, através de fundos nacionais, com um orçamento de 600 mil euros no primeiro concurso e no segundo, previsto para 2020, o investimento será “mais ambicioso”, fazendo um total de dois milhões de euros. Para cada projeto há o limite máximo de financiamento de 120 mil euros e a Fundação para a Ciência e Tecnologia irá admitir projetos de investigação científica e desenvolvimento tecnológico, cujas candidaturas podem ser individuais ou copromoção.

Segundo Manuel Heitor, Ministro da Ciência e Tecnologia e do Ensino Superior, trata-se de uma iniciativa “particularmente inovadora em Portugal e no contexto europeu”, uma vez que estimula “a atividade de investigação na área de arquitetura”. “Abrir a área cientifica a outras áreas de conhecimento” é uma das missões deste programa que pretende ser “mobilizador”, “aprofundar e alargar” o conhecimento sobre a obra “inédita no mundo” de Álvaro Siza Vieira. O objetivo é “desafiar a comunidade cientifica” a “complementar a documentação” que já existe sobre o arquiteto, conhecendo-o melhor através de outras artes como o desenho, a escultura ou o cinema. O intuito é também “abrir um debate multidisciplinar”, num diálogo entre a narrativa artísticas e científica, contribuindo para “criar um corpo sólido de conhecimento sobre uma obra”.

Dois anos foi o período necessário para o programa ganhar forma, onde se pretende que a “atividade de investigação seja útil para a profissão de arquitetura”. “Esta é uma experiência inovadora na politica científica de Portugal, esperemos que venhamos a replicar noutros arquitetos”, sublinha Manuel Heitor. O sucesso, para o ministro, depende agora “da qualidade das candidaturas”

No ano em a Fundação de Serralves comemora 30 anos, Ana Pinho, presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves, sublinha a relação “única, especial e extensa” de Siza Vieira com a instituição, recordando que em 2015 confiou parte do seu arquivo à fundação sendo hoje visitado por todos os que queiram estudar a sua obra. Além de autor do Museu, que em 2019 comemora duas décadas, o arquiteto portuense restaurou a casa de Serralves em 2002 e, segundo a presidente, está neste momento a “acompanhar os trabalhos da Casa Museu Manoel de Oliveira”, com inauguração prevista para este mês. Consta também no calendário da programação de Serralves, a partir de 18 de setembro, a exposição “(In)Disciplina”, uma homenagem ao arquiteto através de uma mostra original e critica sobre o seu percurso criativo.

Ana Pinho afirmou ainda que este programa de investigação se distingue de outros por juntar a arquitetura a outras áreas como o “urbanismo, as ciências sociais ou a engenharia”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)