A necessidade de investimento na ferrovia e o combate à cultura do olival intensivo são os temas em debate nas jornadas parlamentares do Partido Ecologista Os Verdes (PEV), que arrancam esta segunda-feira em Beja.

O olival intensivo representa uma ameaça de morte do futuro do Alentejo, destrói solos e contamina águas, situação tanto mais grave, quando nos estamos a confrontar com os estudos que apontam esta como a região do país mais vulnerável à seca, como consequência das alterações climáticas”, refere o partido em comunicado.

A decorrer entre esta segunda e terça-feira, as jornadas parlamentares “culminam a campanha iniciada pelo PEV, em que percorreram concelhos dos três distritos alentejanos mais afetados, pela proliferação do olival intensivo, onde foram colocadas 500 bandeiras negras a assinalar estes locais nos distritos de Portalegre, Évora e Beja”.

Também a eletrificação da linha ferroviária entre Casa Branca e Beja, “uma das medidas para combater a interioridade, facilitar a mobilidade, potenciar a atração de empresas e gerar mais postos de trabalho”, promovendo o desenvolvimento económico do distrito, foi uma das propostas que o PEV “viu aprovada” em sede de Orçamento do Estado para 2019 e que quer debater durante os dois dias.

No parlamento, a líder parlamentar ecologista, Heloísa Apolónia, defendeu ser “fundamental investir no transporte ferroviário”, meio que não só contribui para o “combate às alterações climáticas, tendo em conta o menor nível de emissões de gases, mas também contribui para a coesão do território e para o direito à mobilidade das populações”.

Segundo a deputada do PEV, “a linha que liga Lisboa a Beja tem sido alvo de um desinvestimento incompreensível”.

“Conseguimos, com este Governo, o compromisso para a eletrificação do troço Casa Branca-Beja. Queremos mais, queremos o compromisso da ligação de Beja à Funcheira para criar verdadeira mobilidade ferroviária no baixo Alentejo”, afirmou.

Durante os dois dias, Os Verdes vão reunir-se com várias instituições e entidades, entre as quais a Escola Superior Agrária de Beja no Campus do Instituto Politécnico de Beja, a Comissão de Utentes de Beja-Terreiro dos Valentes.