Rádio Observador

Abusos na Igreja

Bispo de Setúbal confirma suspeitas de abuso sexual em creche da Igreja

185

Em comunicado enviado após a notícia do Observador, o bispo D. José Ornelas diz estar disponível para colaborar com as autoridades judiciais e confirma que há "rumores" contra um padre.

O bispo D. José Ornelas mandou ao Ministério Público informações sobre "rumores" que corriam na paróquia contra um padre

D.R.

A diocese de Setúbal emitiu esta segunda-feira um comunicado em que confirma a denúncia de uma suspeita de abuso sexual ocorrida na creche de um centro paroquial no concelho de Almada e “reafirma a sua orientação de total intransigência perante qualquer situação de abuso de menores”. O comunicado surgiu depois da publicação da notícia do Observador que dava conta de que o Ministério Público tinha aberto um inquérito ao caso e que a mãe da vítima apontava o dedo ao padre responsável pelo centro paroquial.

A diocese de Setúbal, liderada pelo bispo D. José Ornelas, refere no comunicado que “adotou todas as medidas necessárias para a proteção das crianças e utentes, colaborando com as autoridades judiciais e outras competentes na investigação em curso, disponibilizando todos os elementos solicitados”.

Tal como o Observador noticiou, foi instalado um sistema de videovigilância nas instalações depois de a mãe da alegada vítima se ter deslocado à creche, levantando a suspeita de que o seu filho de 5 anos teria sido vítima de abusos na casa de banho da instituição. Foram também adotadas regras, como o registo de entrada e saída de adultos e a proibição de as crianças se deslocarem sozinhas aos sanitários.

Depois desta reunião com os responsáveis da Igreja, a mãe da criança decidiu mudar o filho de escola. Só mais tarde, em conversas com ele, percebeu que ele apontava o padre como suspeito. Esta informação, porém, só chegou ao Ministério Público em meados de março — dois meses após a queixa da mãe — pela informação enviada pelo próprio bispo a dar conta de que corria esse “rumor” na paróquia. Até agora, pais e vítima ainda não foram chamados a prestar qualquer informação às autoridades, pelo que ainda não o disseram a ninguém. Também ainda ninguém da polícia foi sequer ao centro paroquial onde poderá ter ocorrido o crime.

No comunicado, a diocese de Setúbal esclarece que “tendo tido conhecimento dos rumores da eventual implicação de um Padre neste caso, solicitou ao Ministério Público de Almada a averiguação do caso e disponibilizou a sua total colaboração”. Até esse dia, meados de março — dois meses após a queixa crime apresentada pela mãe —, porém, a Igreja não tinha feito qualquer contacto com as autoridades policiais. Ao que o Observador apurou, respondeu apenas a um pedido da Comissão de Proteção de Menores, concluindo assim que já deveria haver um inquérito aberto ao caso.

Desde que tomou conhecimento desta situação, a Diocese de Setúbal manifestou completa disponibilidade para receber a mãe da criança, embora esta nunca tenha comunicado a alegada situação à Diocese”, lê-se ainda no comunicado.

Ao Observador, a mãe da criança explicara que falhou o encontro com o vigário geral da diocese de Setúbal, a quem chegou a telefonar, por se encontrar doente. Não voltou a contactá-lo. Nem a Igreja a ela.

O bispo de Setúbal refere também no comunicado que “reafirma a sua orientação de total intransigência perante qualquer situação de abuso de menores, estando disponível para apurar a verdade, em colaboração com as autoridades competentes, respeitando as pessoas envolvidas, e aguardando o desenvolvimento da averiguação em curso”. E não fornece mais informações por o caso se encontrar em segredo de justiça.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)