Rádio Observador

Coreia do Norte

Japão prolonga sanções unilaterais à Coreia do Norte por mais dois anos

Sanções terminavam este sábado mas o governo japonês decidiu prolongar a proibição total das exportações e importações bilaterais, bem como a entrada no Japão de navios norte-coreanos.

Estas medidas têm como objetivo pressionar o regime de Kim Jong-un a tomar medidas específicas para a paz na península coreana através de uma desnuclearização completa

KCNA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Japão decidiu esta terça-feira prolongar as sanções unilaterais impostas à Coreia do Norte por mais dois anos, como medida de pressão para desnuclearizar Pyongyang e resolver a questão dos sequestros japoneses, informou a agência de notícias local Kyodo.

O período de aplicação das sanções terminaria neste sábado, mas as autoridades nipónicas decidiram prolongar a proibição total das exportações e importações bilaterais, bem como a entrada no Japão de navios registados na Coreia do Norte ou que tenham atracado num porto norte-coreano.

Em 2016, o Japão adotou um conjunto de sanções unilaterais contra o país vizinho como resultado dos seus testes com mísseis e desde então tem estendido as sanções, simultaneamente às sanções também aplicadas a Pyongyang pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Estas medidas têm como objetivo pressionar o regime de Kim Jong-un a tomar medidas específicas para a paz na península coreana através de uma desnuclearização completa como acordado nas cimeiras que Kim teve com a Coreia do Sul e com os Estados Unidos, um compromisso que está parado face ao desacordo entre Pyongyang e Washington.

A decisão também procura instar o regime norte-coreano a resolver a questão dos cidadãos japoneses sequestrados entre 1977 e 1983.

Em 2002, o então líder norte-coreano Kim Jong II, como parte das negociações entre a Coreia do Norte e o Japão que iria produzir a Declaração de Pyongyang, admitiu o rapto de 13 japoneses pelo regime.

O governo japonês diz, no entanto, que os norte-coreanos raptaram pelos menos 17 cidadãos do país e não descarta o envolvimento de Pyongyang no desaparecimento de outras 883 pessoas.

Na altura, Kim Jong II pediu desculpa pelos raptos, mas não revelou os motivos.

A questão dos sequestros é um dos principais obstáculos à normalização dos laços entre esses dois países.

MIM // MIM

Lusa/Fim

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)