São muitas as preocupações que nos assaltam quando pensamos num automóvel. Entre elas, estão exigências a nível da relação preço/qualidade, do design, dos consumos, do conforto e, acima de tudo, da segurança. E, felizmente, esse é um dos segmentos que tem sido alvo de uma maior aposta a nível de evolução tecnológica. Assim, hoje é possível optar por veículos que têm avisos de colisão, deteção de peões, câmaras que ajudam a estacionar e a identificar objetos potencialmente perigosos para a condução. Mas os elementos de segurança mais valiosos do seu automóvel são… os pneus.

Aliados da performance e segurança

Sendo os únicos elementos presentes em qualquer viatura que estão em permanente contacto com o piso, os pneus reúnem uma série de funções e responsabilidades. São eles que proporcionam uma boa aderência, ajudam a manter o controlo da direção, absorvem toda e qualquer instabilidade provocada pela irregularidade de um (mau) pavimento ou colhem os resultados de condições meteorológicas adversas.

Pense que toda a dinâmica exercida pelo e sobre o automóvel está assente em dois pressupostos: a destreza e competência da condução, e a qualidade dos pneus. E as exigências surgem a todo o instante, faça chuva ou sol, esteja calor ou frio, pois toda a atenção é pouca perante um pára-arranca citadino, as curvas apertadas de um percurso pela montanha, o rolar supostamente tranquilo numa autoestrada ou nas incursões desportivas em pisos mais instáveis.

E são também os pneus que mais sofrem com essas manobras e assumem a responsabilidade de assegurar a estabilidade de uma viagem. Pois são eles que impedem que o automóvel seja vítima de um piso mais escorregadio, corrigindo algum problema e dando a aderência certa, que suportam as diferenças de temperatura do asfalto, que ajudam na travagem, impedindo uma colisão que pode estar iminente, e até são aliados a controlar o ruído que se vive dentro do habitáculo e na poupança de combustível.

A manutenção dos pneus

Dizem os especialistas que um pneu tem, em média, um período de vida útil de até 40 mil quilómetros, mas tal está relacionado com vários fatores, como já referimos. No entanto, a saúde dos pneus e a sua durabilidade podem também estar à distância de uma série de cuidados simples e rotineiros. Eis alguns exemplos:
– Verifique a pressão dos pneus, pelo menos, uma vez por mês;
– Certifique-se que enche os pneus com a pressão correta e de acordo com a carga ou forma de condução;
– Efetue a rotação dos pneus a cada 10 mil quilómetros ou de 6 em 6 meses;
– Preste atenção ao cardado do pneu. Caso verifique um desgaste que implique uma profundidade inferior a  3 milímetros – mesmo sendo o limite mínimo legal de apenas 1,6mm -, está na hora de o substituir;
– Em situações de um maior desgaste em alguns pneus em particular, verifique se tem a direção corretamente alinhada;
– Sempre que fizer um percurso mais exigente — nomeadamente em terrenos irregulares, como pisos com gravilha, terra e lama—, fique atento ao estado dos pneus.

A escolha certa

É assim decisivo que se faça uma escolha acertada do tipo de pneus que a sua viatura exige e merece. Para isso, tem de ter em conta uma série de fatores, como o tipo de carro ou condução e os trajetos e respetivos pisos que percorre de forma mais habitual. E, muito importante, nunca ceda à tentação de ir pela solução mais económica sem consultar um especialista, pois isso pode significar menos segurança e um maior gasto de combustível.
E por falar em especialistas, tendo em conta a certeza que os pneus não são todos iguais, qualquer que seja o tipo de solução que procura, a Continental tem a resposta certa. Por exemplo, se procura um pneu que garanta uma condução ecológica e económica, a Continental propõe a gama EcoContact. Se o desejo é garantir conforto e segurança em qualquer situação, o pneu que preenche as exigências faz parte da gama Premium Contact. Já se é um entusiasta de prestações mais dinâmicas e desportivas, opte entre as gamas Sport Contact, ContiCrossContact UHP ou ContiCrossContact LX Sport. E se facilmente troca o asfalto por outras aventuras, não prescinda de pneus ContiCrossContact LX2, ATR ou AT.