O dia depois da eleição Presidente brasileiro foi o dia que marcou a fuga de Ariadna Seixas do país. “Chamavam-nos pervertidos e diziam que nos iam matar”, disse a mulher transexual ao El Mundo.

Ariadna Seixas deixou o café que tinha em Florianópolis, no estado de Santa Catarina, e partiu para Portugal.  Vendeu o estabelecimento comercial depois de ter sido assaltada por um grupo de pessoas. A mulher transexual não hesitou em ligar o episódio à eleição de Jair Bolsonaro para Presidente do Brasil. “Foi óbvio que o ataque estava ligado à eleição. Bolsonaro disse que as pessoas LGBT representam um perigo para o Brasil e a vitória deu legitimidade ao ódio sem complexos”, cita-a o jornal espanhol no artigo “Portugal, refugio para homosexuales huidos de Brasil” (Portugal, refúgio para homossexuais fugidos do Brasil).

A publicação cita dados da organização não-governamental Grupo Gay da Bahia para dizer que o Brasil é o país no mundo com mais homicídios relacionados com a homofobia: mais de quatro mil pessoas foram assassinadas de 2011 a 2018 — um homicídio a cada 16 horas.

Mal vendeu o café, Ariadne mudou-se para Portugal. Chegou por intermédio da recomendação de outros membros da comunidade LGBT que, como ela, saíram do Brasil. Escolheu o Porto para viver. “Temos de averiguar como fazemos para ficarmos aqui a longo prazo, mas por agora é um alívio viver num sítio onde podemos andar na rua sem medo”, desabafa Ariadna.

Com a escalada da violência contra a comunidade LGBT no Brasil, Débora Ribeiro fundou o grupo Portugay Tropical. A brasileira, a viver em Portugal há mais de uma década, conta que o grupo apoia pessoas que temem pela vida. “Muitos amigos perguntaram-me o que podiam fazer para emigrar e lembrei-me que haveria milhares de pessoas como eles. No primeiro dia em que criei a página no Facebook, chegaram milhares de mensagens de pessoas a pedir ajuda“, disse Débora ao El Mundo.

O jornal considera Portugal um refúgio, mas diz que não é perfeito. Apesar dos laços históricos e da partilha da mesma língua, nem tudo são facilidades na hora de obter asilo. Marta Ramos, diretora da organização LGBTI ILGA Portugal, diz que seria normal que os pedidos de asilo dos brasileiros fossem aprovados, mas é algo que o Governo não pretende facilitar. “Fazê-lo [dar asilo] poria o Executivo português numa situação delicada, porque implicaria reconhecer que o governo de Bolsonaro não respeita os direitos humanos”, refere Marta Ramos ao jornal espanhol.

O último caso apontado pelo El Mundo é o de Emmerson Pessoa, que está a tirar um doutoramento em Lisboa e já sofreu agressões no Brasil por ser homossexual. Emmerson ainda não sabe se volta ao país depois de concluir os estudos porque ficar na capital portuguesa significaria que o já professor universitário teria de começar do zero. “Quando os meus amigos me escrevem, perguntam como fazem para emigrar. Conto-lhes que as duas decisões implicam riscos. Portugal é um porto seguro, mas não é o remédio, e o exílio pode ser muito duro”, desabafa Emmerson.