Caio Giulio Cesare Mussolini, bisneto de Benito Mussolini queixou-se, em declarações ao The Guardian, de estar a ser descriminado pelo Facebook. “Considero inadmissível que o Facebook suspenda a minha conta pessoal só por o meu apelido ser Mussolini”, disse, ameaçando instaurar um processo legal contra a rede social.

“É vergonhoso, antidemocrático e politicamente incorreto”, disse Caio Mussolini, continuando: “Estou indignado pela atitude discriminatória que o Facebook continua a adotar contra membros da minha família“.

Em declarações ao il Fatto Quotidiano, uma prima em segundo grau de Caio, Rachele Mussolini considerou que a família estava a ser “perseguida pela polícia de Mark Zuckerberg [o presidente do Facebook]”. Rachele Mussolini é vereadora para a cidade de Roma.

Caio Mussolini, bisneto do fascista e ditador italiano que controlou o país de 1922 a 1943, vai concorrer às eleições europeias em maio pelo partido de extrema-direita Irmãos de Itália. Uma prima em segundo grau, Alessandra Mussolini, é eurodeputada desde 2014, representando o Forza Italia, de Silvio Berlusconi.

O partido neo-fascista italiano CasaPound apresentou queixas similares na terça-feira, 9 de março. O CasaPound afirmou que o Facebook “sistematicamente apagava as contas” dos líderes do partido, particularmente após o anúncio de que iriam concorrer às eleições europeias. A rede social não comentou qualquer um dos casos.