Rádio Observador

Defesa

Governo cria grupo de acompanhamento para definir prioridades na defesa europeia

"Espera-se que daqui resulte a criação de uma metodologia nacional para a participação portuguesa nos projetos PESCO e no Fundo Europeu de Defesa", referiu o ministro da Defesa Nacional.

O ministro da Defesa intervinha no seminário na Associação Industrial Portuguesa, em Lisboa, sobre os "novos desafios e oportunidades para a indústria de defesa Nacional"

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, sustentou esta quarta-feira que a “defesa europeia” será em breve uma “realidade concreta” e anunciou a criação de um grupo de acompanhamento para definir as prioridades nacionais.

O tempo de Portugal se posicionar neste processo é agora. Começamos de forma hesitante e pouco estruturada, porventura como a maior parte dos outros países, mas é urgente que se definam rumos, prioridades e linhas de ação”, afirmou João Gomes Cravinho.

O ministro da Defesa intervinha no seminário na Associação Industrial Portuguesa, em Lisboa, sobre os “novos desafios e oportunidades para a indústria de defesa Nacional” decorrentes da participação de Portugal na Cooperação Estruturada Permanente [CEP] para a Defesa da União Europeia.

João Gomes Cravinho anunciou a criação de um “grupo de apoio à participação portuguesa na PESCO [sigla em inglês para a Cooperação Estruturada Permanente] que integra elementos dos ministérios da Defesa, Negócios Estrangeiros, Economia, Ciência e Tecnologia e Infraestruturas, representantes das Forças Armadas e do setor industrial. “Espera-se que daqui resulte a criação de uma metodologia nacional para a participação portuguesa nos projetos PESCO e no Fundo Europeu de Defesa” numa “lógica de compatibilização de investimentos e de capacidades entre a NATO e a União Europeia”, disse.

Gomes Cravinho frisou que “o que está em jogo” é uma proposta da Comissão Europeia para que o Fundo Europeu de Defesa possa contar com 13 mil milhões de euros para financiar projetos entre 2021 e 2027, para investigação e desenvolvimento de capacidades. Este financiamento será complementado por mais 6,5 mil milhões de euros de um outro programa que visa “melhorar as infraestruturas de transporte estratégico na Europa” e pelo “futuro programa Horizonte Europa, com uma proposta de 100 mil milhões de euros”.

O ministro da Defesa frisou que a oportunidade criada por aqueles programas deve ser “plenamente aproveitada em benefício do país” e considerou que, a nível nacional, a Lei de Programação Militar — em discussão na especialidade no parlamento — seja “também uma alavanca importante para a participação nacional no processo da PESCO”.

O ministro reiterou a intenção de, após a liquidação da EMPORDEF [`holding´ do Estado que gere as participações públicas nas empresas de Defesa], em curso, criar uma “nova instituição renovada, racionalizada e dinâmica” com o mesmo objetivo e “de acordo com o mercado e com as oportunidades existentes a nível europeu”.

Gomes Cravinho disse que está a ser revista a estratégia para a Base Tecnológica e Industrial de Defesa, aprovada em 2010, para que “se possa adequar ao novo contexto europeu”. Quanto aos receios sobre a forma de concretizar a “defesa europeia”, Gomes Cravinho considerou que as discussões em torno de um “hipotético `exército europeu´ não avançam o debate no sentido necessário” e “criam dificuldades e distrações indesejáveis”.

Para o governo português, disse, a Europa da Defesa deve ser pensada para “reforçar as defesas nacionais”, acentuar a “cooperação estratégica” entre os Estados membros e “complementar a defesa euro-atlântica”. Na abertura do seminário, o presidente da Associação Eurodefense Portugal, Figueiredo Lopes, apontou a “efetiva coordenação” entre os vários intervenientes e a indústria nacional é “um requisito imprescindível” para garantir “uma eficaz participação nacional” em projetos PESCO.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)