Governo

Governo prolonga contrato com Altice para serviço de cabines telefónicas

Apesar de críticas por parte da Anacom, Governo anuncia a decisão de prorrogar o contrato com a Altice Portugal para a prestação do serviço universal de disponibilização de postos públicos.

A Altice Portugal sempre se manifestou contra a decisão da Anacom que recomendava a extinção dos postos públicos, considerando-a insensível, imponderada e injusta para os cidadãos e para o país.

ANDRÉ PEREIRA/LUSA

A Altice Portugal afirma que a prorrogação do contrato de prestação do serviço universal de disponibilização de cabines telefónicas, anunciada pelo Governo, é um fator de igualdade e acusa a Anacom de falta de conhecimento sobre a realidade.

“Esta decisão de prorrogação do contrato até aqui prestado pela Altice Portugal vem provar a real necessidade deste serviço no País e evidenciar a falta de conhecimento real da Anacom em relação ao território nacional, tendo tal decisão salvaguardado o interesse público e a igualdade de acesso às comunicações”, refere a empresa através de um comunicado.

Nesta terça-feira, o Governo anunciou que decidiu prorrogar o contrato com a Meo para a prestação do serviço universal de disponibilização de postos públicos “transitoriamente”.

A nota do Ministério das Infraestruturas e Habitação indica que o Executivo decidiu prolongar o contrato, “relativo à prestação do serviço universal de disponibilização de postos públicos (como cabines telefónicas), transitoriamente, até que seja designado um prestador de serviço universal para o mesmo serviço, na sequência de um procedimento concursal ou até que a lei venha a dispensar essa designação”.

No comunicado divulgado esta quarta-feira, a Alticecongratula-se pela decisão do Governo frisando que “sempre defendeu o interesse público” do serviço que, afirma, garante a todos os portugueses tratamento igual, tratando-se de um serviço crucial sobretudo em territórios de mais baixa densidade populacional.

“A Altice Portugal sempre se manifestou contra a decisão da Anacom que recomendava a extinção dos postos públicos, considerando-a insensível, imponderada e injusta para os cidadãos e para o país, por ignorar particularidades sociais relevantes que merecem proteção e demonstrar uma incorreta avaliação das necessidades destas populações no que diz respeito ao serviço universal de postos públicos”, acrescenta.

O Governo optou também por “não renovar o contrato existente com a NOS, SGPS, SA para prestação do serviço universal de STF [serviço de telefone fixo] que cessa a 01 de junho de 2019”, lê-se na mesma nota, assim como “não abrir concurso para selecionar um prestador de Serviço Universal para o STF”.

Na mesma informação, o secretário de Estado solicita à Anacom que “prepare os instrumentos concursais para a seleção do prestador do serviço universal de postos públicos” e que, no prazo de 10 meses, proponha “um novo modelo para oferta de postos públicos de nova geração”, tendo em conta quer as suas funcionalidades, quer a localização e “ponderando a possibilidade de integrar nos postos públicos acesso à Internet e novas aplicações tecnológicas destinadas a pessoas com deficiência”.

A recomendação da Anacom foi de que se designe, por concurso público, um prestador a nível nacional para o serviço de telefone fixo e outro para o serviço de postos públicos, reduzindo prazos e valores dos contratos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)