Rádio Observador

Basquetebol

Kyle Guy passou de Golias a David e pelo meio deu uma lição sobre saúde mental

O atleta de 21 anos ganhou o campeonato universitário de basquetebol dos EUA e foi o melhor jogador do torneio. Para isso, teve de ultrapassar uma derrota, superar a ansiedade e fazer uma tatuagem.

O shooting guard terminou a final com 24 pontos e três ressaltos

Getty Images

Kyle Guy tem tatuagens nas duas coxas. Na da perna esquerda, decidiu tatuar o provérbio swahili sisi ni sawa, “somos iguais”, em homenagem ao filme Rei Leão, onde a personagem Rafiki utiliza várias vezes o dialeto africano. Na da perna direita, exibe um enorme desenho de um leão com David e Golias dentro da boca, em alusão à história bíblica. “Digo sempre que a motivação é a curto prazo, a inspiração é a longo prazo”, explicou o norte-americano há alguns meses, quando tatuou a representação do rapaz franzino que venceu um gigante.

A inspiração, como lhe chama Kyle, foi nos últimos meses o local onde o jovem atleta foi buscar a motivação que escasseava. Esta terça-feira, num jogo que serviu também enquanto espanta espíritos, Kyle Guy venceu com os Virginia Cavaliers o National Collegiate Athletic Association (NCAA), o campeonato de basquetebol universitário dos Estados Unidos. O shooting guard de 21 anos foi considerado o melhor jogador do torneio e o MVP da final disputada com os Texas Tech (85-77), tendo terminado o encontro derradeiro com 24 pontos, três ressaltos e enquanto elemento mais utilizado da equipa da costa leste norte-americana. Mas o primeiro título da história dos Virginia Cavaliers começou a ser conquistado há mais de um ano: quando a equipa perdeu de forma escandalosa na primeira ronda do torneio.

View this post on Instagram

???????? Follow @mindofanartist : incredible !!!

A post shared by Kyle J Guy (@kylejguy5) on

Na altura, tal como agora, os Cavaliers ocupavam o primeiro lugar do ranking das equipas de basquetebol universitário. Dessa forma, e de modo algo inevitável, eram um dos principais candidatos à vitória e tinham em Kyle Guy a grande mais valia do plantel. A surpresa surgiu logo na primeira ronda: os Virginia Cavaliers perderam com os UMBC Retrievers, uma equipa teoricamente muito inferior. A dureza não só da eliminação como do resultado (o conjunto de Maryland venceu por 20 pontos de diferença) apanhou de surpresa uma equipa naturalmente habituada a ganhar e que já tinha o foco apontado à conquista do título. Afinal, era a primeira vez na história que o primeiro classificado do ranking perdia na primeira ronda — e a insatisfação dos adeptos, aliada a inúmeras ameaças de morte recebidas pelos jogadores nas horas após a derrota, obrigou à presença de uma escolta policial quando a equipa regressou a casa.

39 dias depois da eliminação, Kyle Guy decidiu partilhar nas redes sociais como tinha sido aquele mês que se seguiu à inesperada derrota. O atleta transcreveu uma carta que escreveu para ele mesmo e detalhou a luta contra a ansiedade, contra os problemas de saúde mental e contra a crescente dependência de fármacos. No extenso texto, Kyle afastou os fantasmas que acumulou durante seis semanas. “Passaram seis semanas. E vou direto ao assunto. Nunca me senti melhor. Mas isso não significa que me tenha sentido assim desde que aquilo que todos sabemos aconteceu; só significa que estou bem agora. Todos passamos por adversidades mas nem todos vivemos lá. Não quero que esta carta seja uma lamentação, um sermão, um discurso ou até uma história para as pessoas se sentirem bem. Quero que seja real. Quero que isto tenha impacto nas pessoas e quero que toda a gente entenda aquilo por que eu e a minha equipa passámos. Esta é a minha história”, começou por dizer o jovem atleta.

“Quanto soou o apito final, eu colapsei. Colapsei e a pressão chegou até mim. Se me conhecem, sabem que eu não acredito na pressão: acho que só é real se a deixarmos ser real. A pressão surge do ato de pensar demasiado sobre o futuro ou o passado, por isso, a pressão não existe se estivermos onde os nossos pés estão. Bem, eu estava exatamente onde os meus pés estavam mas a minha mente correu para o passado, para o futuro, para o presente. Era demasiado (…) tive uma imediata sensação de tristeza, ansiedade e falhanço. Estava a chorar incontrolavelmente. O sentimento de vergonha é difícil de afastar. Foi ainda mais difícil engolir a vergonha e subir ao pódio. A minha garganta estava seca e dorida de aguentar as lágrimas. Tinha de estar constantemente a beber água para me esquecer de chorar”, contou Kyle Guy, que depois do testemunho sincero e detalhado sobre tudo aquilo que sentiu após a derrota revelou que teve de ser medicado para lidar com a ansiedade e a depressão e acabou por descobrir, em conjunto com o terapeuta, que a melhor maneira de exprimir o que lhe passava pela cabeça era escrever.

Mais de um ano depois de ser o Golias que perdeu com David, Kyle Guy tornou-se o David que derrotou o Golias formado pela ansiedade, pela depressão, pela vergonha e pelo receio. Há algumas semanas, por altura do início da fase final do campeonato, revelou que tinha colocado uma fotografia da derrota do ano passado no fundo do ambiente de trabalho do computador para se recordar todos os dias daquilo que não poderia voltar a acontecer. Agora, Kyle já pode mudar a fotografia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)