Museus

Aquário Vasco da Gama. Obras devem arrancar ainda este ano e estender-se até 2021

Até 2021, a Marinha acredita que haverá "resultados visíveis". Intervenção irá permitir que os dois tanques, desocupados em 2016 e 2017, voltem a receber animais. A última otária morreu há três anos.

O aquário das tartarugas marinhas vai ser alterado para receber novas espécies

MÁRIO CRUZ/LUSA

As obras de recuperação do Aquário Vasco da Gama, em Algés, deverão arrancar ainda este ano. Em resposta às perguntas colocadas pelo Observador, a Marinha Portuguesa, responsável pela gestão do espaço, disse que é ainda “prematuro avançar com datas concretas” mas que “será estabelecido um protocolo” com a Câmara Municipal “onde ficará estabelecida a calendarização das intervenções a realizar”. A Marinha espera que “em 2021 possam já existir resultados visíveis”, esclarecendo que já foram renovadas “todas as salas do museu”, fundado em 1898.

O projeto de reabilitação do Aquário, um dos mais antigos do mundo, será financiado pela Marinha e pela Câmara Municipal de Oeiras. Estima-se que o investimento necessário seja de 1,5 milhões de euros. As obras passarão “pela reformulação de dois dos seus principais espaços” — os tanques onde se encontram as tartarugas e os leões marinhos –, “respeitando o bem-estar animal, um valor fundamental para o cumprimento da missão do Aquário Vasco da Gama”. Ainda é “prematuro avançar com datas concretas” mas, de acordo com a Marinha, “será estabelecido um protocolo” com a autarquia “onde ficará estabelecida a calendarização das intervenções a realizar”.

Tanto o tanque das otárias e tartarugas marinhas como o dos leões marinhos serão alterados para dar “lugar a espaços com novas espécies, para as quais vai ser possível recriar as condições que encontram na natureza”. “O tanque das tartarugas será transformado de forma a receber tartarugas de água doce e o tanque dos leões marinhos irá recriar um habitat litoral da costa portuguesa, uma das áreas de maior biodiversidade e mais ameaçada pela presença do Homem“.

Os dois espaços encontram-se desocupados há alguns anos. Desde a morte do último exemplar de otária da África do Sul, em novembro de 2016, que o tanque dos leões marinhos do Aquário Vasco da Gama não recebeu mais nenhum animal desde tipo. No que diz respeito às tartarugas, a última foi libertada na natureza em novembro de 2017, após um período de adaptação no Centro de Recuperação de Animais Marinhos (CRAM), em Aveiro. O animal tinha alcançado a idade adulta e de procriação, “que não é possível verificar-se em cativeiro”, explicou a Marinha ao Observador.

O objetivo destas obras é “melhorar a exposição, o discurso expositivo e aproximar o Aquário Vasco da Gama da população, para além de recuperar parte da infraestrutura que acusa o passar dos anos”. Relativamente à parceria firmada com a Câmara de Oeiras, que vai permitir realizar as obras necessárias, a Marinha considera que “são já percetíveis consequências”, “através da oferta de atividades educativas diversas, disponíveis quer para as Escolas do Concelho que fazem parte do Projeto Oeiras Educa, quer para o público em geral”.

Artigo atualizado às 17h16

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)