As famílias portuguesas da classe média estão a viver acima das suas possibilidades, diz um estudo da OCDE. Segundo o relatório, citado na edição desta quinta-feira pelo Negócios, mais de um terço (35,4%) das famílias de classe média portuguesas tinham custos superiores aos seus gastos em 2016. Este  problema só é maior no Chile e na Grécia, que lideram a estatística publicada pelo organismo.

A grande discrepância entre gastos e receitas fica explícito pela evolução destes dois fatores nos últimos anos, com os custos das famílias portuguesas a subir muito, ao contrário dos rendimentos: diz a OCDE que entre 2005 e 2015 os gastos das famílias subiram 6,6%, enquanto que os salários registaram uma subida quase nula, de 0,6%.

Se olharmos para os dados gerais, o panorama é semelhante: diz o relatório que, tal como em Portugal, as famílias da classe média pelo mundo estão mais sobre-endividadas do que o resto da população. Segundo a OCDE, 23,8% das famílias da classe média estavam sobre-endividadas em 2015, contra 16,8% na população total. Só a Dinamarca, o Chile, a Noruega e a Holanda apresentam números superiores de endividamento de outros setores face à classe média.

Diz ainda o estudo que 69% das famílias portuguesas de classe média são financeiramente frágeis, tendo inclusivamente dificuldades em ter dinheiro até ao fim do mês. Uma percentagem que deixa também Portugal no topo da tabela nesse indicador.