Rádio Observador

Cinema

“Greta — Viúva Solitária”: Isabelle Huppert, a bruxa má que toca piano e veste Chanel

179

A actriz francesa quer, pode e manda em "Greta - Viúva Solitária", um "thriller" implausível mas com "suspense" e muito estilo, realizado por Neil Jordan. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Quando somos pequeninos, ensinam-nos que a bondade compensa sempre. Depois, quando crescemos, a vida, e o cinema, mostram-nos que não é bem assim. Vejam o caso de Frances (Chloë Grace Moretz), a jovem protagonista de “Greta — Viúva Solitária”, de Neil Jordan. Frances tirou o curso em Boston e mudou-se para Nova Iorque, onde trabalha como empregada de mesa num restaurante de luxo e vive no apartamento de Erica (Maika Monroe), a sua melhor amiga, rica e estouvada. Frances é uma rapariga tão certinha, tão cumpridora e tão boazinha, que às vezes leva Erica à exasperação, porque prefere ficar em casa a ler do que ir a bares e festas e conhecer rapazes.

[Veja o “trailer” de “Greta-Viúva Solitária”]

Uma noite, Frances vem do trabalho de Metro e repara numa mala de senhora esquecida num banco. Como é muito certinha, cumpridora e boazinha, procura um documento de identificação na mala, e ao contrário da amiga, que a quer deitar fora e guardar o gordo rolo de notas que encontrou lá dentro, ruma a Brooklyn para a entregar à proprietária. Ela é Greta (Isabelle Huppert), uma francesa viúva que gosta de Liszt, tem uma casa cheia de fotografias do marido pianista que morreu e da filha que estuda música em Paris, e vive na solidão. Greta fica agradecidíssima a Frances por ela lhe ter devolvido a mala, serve-lhe café e conta-lhe a vida toda. Frances, que perdeu a mãe há um ano e é mesmo muito boazinha, condói-se dela.

[Veja uma entrevista com Isabelle Hupert e Neil Jordan]

Frances, a órfã de mãe, e Greta, a solitária com a filha do outro lado do oceano, ficam, obviamente, amigas. Até aqui, parece tudo bem no melhor dos mundos. A bondade de Frances foi recompensada com uma figura maternal, e a tristonha Greta ganhou uma filha substituta. Só que um dia, Frances abre o armário errado e descobre que Greta tem uma coleção de malas iguais à que ela encontrou no Metro e lhe devolveu, e cada uma tem um papelinho amarelo colado com um nome feminino e um número de telefone. É o suficiente para Frances se afastar bruscamente de Greta, começar a investigá-la e descobrir que ela lhe mentiu sobre quase tudo. E o afeto que sentia transforma-se em medo.

[Veja uma entrevista com Chloë Grace Moretz]

Greta começa a bombardeá-la com mensagens de texto e de voz. Depois, a ir ao restaurante à procura dela e a aparecer-lhe à porta de casa e cuspir-lhe pastilha elástica nos cabelos. A seguir, a ficar especada horas a fio, de óculos escuros, no passeio oposto ao do restaurante. Daí a uma cena de faca e alguidar em público e à perseguição nas ruas a ela e a Erica, vai um passo. A bondade de Frances não lhe valeu uma nova amiga. Meteu-a num filme de terror. Em “Greta — Viúva Solitária”, Neil Jordan propõe-nos um conto de fadas sob a forma de um “thriller” de série B só com mulheres, onde Isabelle Huppert faz de bruxa má e Chloë Grace Moretz é a sua ingénua presa. E não há nenhum príncipe encantado nas redondezas para a salvar.

[Veja uma cena de “Greta — Viúva Solitária”]

O filme começa por ser absorvente e inquietante, depois torna-se forçado e a certa altura mergulha de cabeça na inverosimilhança. Mas ficamos presos até ao fim, porque Jordan, mesmo apesar da credibilidade do argumento de “Greta — Viúva Solitária”, acabar por lhe falhar, consegue que a fita tenha “suspense” e estilo (há um par de planos “hitchcockianos” e tudo); e é inteligente o suficiente para deixar Isabelle Huppert à solta. E esta, depois de ter interpretado mulheres tão emocional e psicologicamente complicadas e tão dramática e requintadamente perversas em filmes como “A Pianista” e “Ela”, faz maravilhas com a maldade tresloucada de Greta, desde fechar Frances numa arca cheia de brinquedos, até espetar uma seringa no pescoço de um detetive demasiado abelhudo, enquanto dança descalça. E tudo sem pinga de “overacting”.

[Veja uma cena de “Greta — Viúva Solitária”]

Onde qualquer outra atriz teria recorrido ao estereótipo da histeria demencial, Huppert mantém quase sempre imperturbável a imagem da senhora solitária, sofisticada, discreta e levemente neurótica, ao mesmo tempo que faz Frances passar por tratos de polé e acumula sacos com cadáveres cobertos de cal na cave de casa. Nem quando Frances a mutila com uma forma de bolo, na única cena “gore” do filme, Greta perde a compostura, nada que umas luvas de “griffe” não remedeiem. Basta um movimento dos olhos a Isabelle Huppert para sugerir a bruxa maléfica e demente que há sob a viúva respeitável que veste Chanel, toca Liszt ao piano e mora em Brooklyn. O filme pertence-lhe, e ela leva-o para casa com uma perna às costas e um sorriso nos lábios.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
279

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)