Angola

Palanca Negra Gigante em Angola reduzida a 200 animais e em risco de extinção

2.605

Angola conta atualmente com cerca de 200 exemplares da Palanca Negra Gigante, endémica e ameaçada de extinção, sobretudo devido à caça furtiva e à "carência de fiscais" para controlar os parques.

Angola conta atualmente com cerca de 200 exemplares da Palanca Negra Gigante, endémica e ameaçada de extinção, sobretudo devido à caça furtiva e à “carência de fiscais” para controlar os parques e zonas de conservação.

Segundo o secretário de Estado do Ambiente angolano, Joaquim Manuel, os cerca de 200 animais estão concentrados no Parque Nacional da Cangandala e na Reserva Integral do Luando, na província angolana de Malanje, e “continuam ameaçados e em fase decrescente”.

“O número que temos hoje indica que o pico continua decrescente e temos de elevá-lo. Hoje temos à volta de 10%, em comparação com a época colonial, e teríamos de ter um número suficiente à volta de 70% para assim podermos acautelar sua continuação”, disse.

Em declarações aos jornalistas, no final de um “workshop” de balanço do Programa de Proteção e Conservação da Palanca Negra Gigante, realizado hoje, em Luanda, Joaquim Manuel apontou, no entanto, que as ações de conservação da espécie “melhoraram, substancialmente, desde 2003”.

Atualmente, sublinhou, pode falar-se “de uma recuperação”.

“Mas ainda está ameaçada. Existe um Plano de Gestão para os próximos cinco anos e isso é muito bom, porque já se pode estar a avançar para outras atividades que não poderíamos desenvolver, como o ecoturismo, que poderá trazer os fundos para a conservação. Queremos levar o turismo para essas zonas para dar a conhecer o animal e arrecadar alguns recursos”, adiantou.

A caça furtiva, comercial e de sobrevivência, continua a preocupar as autoridades ambientais de Angola, acrescida à incapacidade de os fiscais cobrirem a 100% os oito parques nacionais e as quatro reservas naturais integrais.

Segundo o governante, para um maior controlo dessas áreas, o Ministério do Ambiente necessita de pelo menos 8.000 fiscais, tendo em conta que só existem 1.600, “um número insignificante para responder a demanda”.

Só este dado dá para ver a diferença da necessidade gritante da quantidade de fiscais que ainda necessitamos. Hoje já se fala que, esse número de 8.000 fiscais poderia ser reduzido em 50% se se inserir as novas tecnologias”, realçou.

“A inserção do ecoturismo vem também no sentido de termos uma capacidade financeira para aumentarmos o número de fiscais nessas zonas”, acrescentou.

Durante a apresentação do Plano de Gestão do Parque Nacional da Cangandala, validado em 2018, e com a perspetiva de ser implementado em dez anos, defendeu-se a “necessidade da revisão dos limites” do parque para 85.000 hectares, para “melhor conservação” das espécies.

Para o secretário de Estado do Ambiente de Angola, a revisão dos limites do Parque da Cangandala surge com dois propósitos, nomeadamente “melhor conservação do seu ecossistema e acompanhamento dos assentos populacionais que ali se encontram”.

Visa que as comunidades que estão dentro das áreas de conservação saiam. Isso é que nos levou a fazer uma revisão da lei. A alteração está a ser feita e penso que até maio teremos a lei aprovada para que as comunidades inseridas nessas áreas tenham um tipo de atividade”, explicou.

Joaquim Manuel defendeu ainda a necessidade da revisão dos limites do Parque Nacional da Quiçama, na província de Luanda, considerando uma “dor de cabeça que se arrasta há anos”, porque, observou, o parque ocupa “grande parte daquele município”.

“Na Quiçama, temos população dentro do parque, infraestruturas alheias à conservação, temos uma estrada nacional que divide o parque em três partes e várias atividades que achamos que não fazem parte da conservação”, especificou.

O “workshop” foi coorganizado pela Fundação Kissama e pelo Comité Executivo para Acompanhamento e Reforço da Implementação de Medidas de Proteção e Conservação da Palanca Negra Gigante.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)