Rádio Observador

Bloco de Esquerda

BE desafia PS a eliminar normas da legislação laboral acordadas entre Governo e patrões

BE apresenta alterações ao Código do Trabalho e olha para estas como um desafio ao PS para que possa aprovar com a esquerda uma legislação laboral que reequilibre as relações laborais.

"Queremos também aproveitar para apresentar um conjunto de alterações que não constam da proposta do Governo, ou seja, normas nas quais o Governo não quis tocar, mas que são ainda a herança da 'troika' na legislação laboral", adiantou José Soeiro

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O BE desafiou esta sexta-feira o PS a aprovar “com a esquerda uma legislação laboral que seja equilibrada”, propondo que sejam eliminadas “três normas de precarização”, acordadas com os patrões, que estão previstas na proposta de lei do Governo.

Em declarações à agência Lusa, o deputado do BE José Soeiro antecipou aquelas que são as alterações com que o partido avança em relação à proposta de lei do Governo para revisão da legislação laboral, admitindo ser “uma incógnita” saber como é que se vai posicionar o PS.

“Estas propostas de alteração são, no fundo, também, um desafio ao PS para que possa ainda aprovar com a esquerda uma legislação laboral que reequilibre as relações de trabalho em vez de voltar a aprovar com a direita uma legislação laboral que foi acordada com os patrões”, assumiu.

No pacote de alterações figura, em primeiro lugar, a eliminação das “três normas de precarização” que constam no diploma do executivo, liderado pelo socialista António Costa, medidas que, segundo José Soeiro, “foram as contrapartidas dadas aos patrões para assinarem o acordo”.

O alargamento, quer em âmbito quer em duração, dos contratos de muito curta duração, a extensão do período experimental para trabalhadores menos qualificados e o banco de horas fora da contratação coletiva são as três medidas que o BE quer que desapareçam.

“Se estas medidas fossem eliminadas da proposta de lei do Governo nós, evidentemente, reconsideraríamos o nosso sentido de voto porque não haveria na proposta medidas regressivas e, portanto, aí estaríamos em condições de poder acompanhar as outras propostas de combate à precariedade que o Governo incluiu na sua proposta”, garantiu.

A proposta do Governo que altera o Código do Trabalho – que está agora em debate na especialidade e cujo prazo de apresentação de propostas de alteração termina esta sexta-feira – resultou de um acordo de Concertação Social celebrado com as confederações patronais e a UGT, tendo sido aprovada em 18 de julho, no parlamento, na generalidade, com os votos favoráveis do PS, a abstenção do PSD, CDS-PP e PAN, e a rejeição do BE, PCP e PEV.

“Neste momento é uma incógnita saber como é que o PS se posicionará, sendo que já fizemos contactos justamente para aferir quais eram as propostas que também estava disponível para fazer na especialidade, mas, até ao momento, o PS não quis abrir o jogo e, portanto, a nossa expectativa neste momento é uma expectativa reduzida em função do histórico que tem existido”, lamentou.

Mas o BE – que tem já quatro projetos de lei sobre esta matéria em debate na especialidade, depois de aprovados na generalidade – não se fica pela eliminação destas três medidas e quer ir mais longe.

“Queremos também aproveitar para apresentar um conjunto de alterações que não constam da proposta do Governo, ou seja, normas nas quais o Governo não quis tocar, mas que são ainda a herança da ‘troika’ na legislação laboral”, adiantou.

Com o objetivo de ‘destroikar’ a legislação laboral, José Soeiro explicou que o BE quer “devolver os três dias de férias que foram retirados pela direita”, regressar aos valores que existiam para a compensação do trabalho suplementar, das horas extra e do descanso compensatório, e “retomar o valor que existia ao nível das compensações para o despedimento”.

A contratação coletiva, a caducidade dos contratos coletivos, o princípio do tratamento mais favorável ou as normas de mobilidade geográfica e funcional são algumas das áreas sobre as quais os bloquistas propõem modificações.

As “questões novas”, como o dever de desconexão por parte das empresas, também merecem a atenção do BE neste pacote legislativo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)