Os manifestantes no Sudão rejeitaram esta sexta-feira a declaração do Conselho Militar de Transição, que prometeu não extraditar o agora ex-Presidente do país, Omar al-Bashir, afastado do poder na quinta-feira.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, a Associação de Profissionais Sudaneses, organização que tem liderado os quatro meses de protestos contra al-Bashir, considera que as garantias do Exército representam uma “mentira” e pedem que a liderança do país passe para um Governo de transição civil.

Sudão. Bashir destituído. Militares assumem poder por dois anos

As declarações surgiram pouco depois de uma conferência de imprensa dos líderes militares. A organização diz que as afirmações dos militares são “uma farsa” e prometem “resistir” de forma pacífica às medidas extraordinárias impostas pelas chefias militares, que conduziram o afastamento de al-Bashir.

Durante a manhã de quinta-feira, o ministro da Defesa, Awad Ahmed Benawf surgiu em uniforme militar na televisão pública sudanesa e anunciou a destituição de al-Bashir e a realização de “eleições livres e justas” após um período de transição de dois anos, durante o qual o país será governado por um conselho de transição militar.

Os militares decretaram estado de emergência para os próximos três meses, suspenderam a Constituição e fecharam as fronteiras e o espaço aéreo do país.

Esta sexta-feira, um oficial do Exército sudanês afirmou que as autoridades militares não vão extraditar o Presidente deposto Omar al-Bashir, mas irão julgá-lo no país, de acordo com a agência de notícias AP. O coronel Omar Zein Abedeen fez as declarações numa conferência de imprensa esta sexta-feira na capital, Cartum, defendendo a retirada militar de Al-Bashir do poder.

Guterres apela a transição que respeite vontade de democracia do povo do Sudão

O Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, foi destituído e detido na quinta-feira pelas Forças Armadas, depois de mais de quatro meses de contestação popular.

Os protestos, inicialmente motivados pelo aumento dos preços do pão e de outros bens essenciais, acabaram por transformar-se num movimento contra Al-Bashir, que liderava o país desde 1989, quando chegou ao poder através de um golpe de Estado.

Omar al-Bashir é alvo de dois mandados de detenção do TPI por genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade cometidos durante o conflito em Darfur (oeste do Sudão), que, de acordo com as Nações Unidas, causou mais de 300.000 mortos desde 2003 e obrigou cerca de 2,5 milhões a abandonarem as suas casas.