Macau

Número de famílias com rendimento “relativamente baixo” aumentou em Macau

O número de famílias com rendimento "relativamente baixo" aumentou nos últimos cinco anos em Macau, bem como a desigualdade na distribuição das receitas dos agregados.

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O número de famílias com rendimento “relativamente baixo” aumentou nos últimos cinco anos em Macau, bem como a desigualdade na distribuição das receitas dos agregados, segundo um estudo das autoridades locais hoje divulgado.

O aumento do número de famílias com rendimento “relativamente baixo” é explicado pelo envelhecimento populacional e pela redução dos agregados, indicou o relatório da Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) de Macau, território que tem o segundo maior rendimento ‘per capita’ do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

No comunicado da DSEC lê-se que a desigualdade na distribuição de rendimentos nas famílias cresceu nos últimos cinco anos, uma realidade que só não se acentuou devido “à assistência social e subsídios concedidos pelo Governo de Macau”, território que é considerado a capital mundial do jogo, do qual depende a economia local.

A conclusão faz parte do Inquérito aos Orçamentos Familiares (IOF) 2012-2013/207-2018, que é realizado de cinco em cinco anos em Macau, e cujos resultados refletem o padrão de consumo e a distribuição de receita dos agregados.

Os resultados do IOF apontam também para um aumento de 65,8% dos agregados familiares idosos e para a diminuição da média da população empregada por família.

Segundo a DSEC, “a taxa de crescimento real da receita média mensal dos agregados (+14,1% face a 2012-2013) foi superior à da despesa em consumo (+3,6%)”.

No mesmo relatório destaca-se que a despesa predominante dos agregados familiares é agora na habitação e combustíveis, depois de ‘destronar’ nos últimos cinco anos os gastos em produtos alimentares e bebidas não alcoólicas.

Em julho de 2018, o FMI estimou que Macau iria registar em 2020 o maior rendimento ‘per capita’ do mundo, destronando o Qatar, subindo para os 124 mil euros, quase o triplo da média das economias mais avançadas como a Austrália, Estados Unidos, Áustria, Reino Unido e China.

Já esta semana, o FMI reviu em baixa a estimativa de crescimento do território para este ano, de 5,3% para 4,3%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)