Rádio Observador

Curiosidades Auto

Pagava 500.000€ para comprar (só) a chave de um carro?

Há automóveis que custam meio milhão de euros. E até mais. Mas pagar 500.000€ apenas pela chave de um automóvel pode parecer excessivo, mesmo para os mais endinheirados. Não para a clientela da Awain.

Esqueça os Bugatti e outros que tais, veículos potentes e luxuosos que atiram o preço para cima dos 2 milhões de euros e isto ainda antes de impostos. Por 500.000€, é possível adquirir uma série de automóveis entre melhores que a indústria tem para oferecer, sejam eles refinados, como os Bentley e os Rolls-Royce, ou exuberantes e rápidos, como os Ferrari, Lamborghini e McLaren. Mas se é fácil justificar meio milhão por um carro de sonho, já é mais difícil perceber como pode ser aliciante pagar essa mesma quantia apenas pela chave de um automóvel.

Para começar, as chaves dos automóveis modernos já não são o que eram. Se há uns anos precisávamos delas para enfiar na fechadura e abrir a porta do veículo, para de seguida repetir a ‘dose’ na ignição, rapidamente passámos a utilizá-las para só trancar e destrancar as portas, pois para “acordar” o motor passou a ser apenas necessário pressionar o botão start. Hoje, a maioria dos automóveis do mercado, e todos os mais dispendiosos, já nem precisa de chave graças ao sistema keyless, uma vez que tudo funciona apenas com a aproximação do utilizador, desde que este que tenha consigo a dita “chave”.

Mas estas contrariedades não desmotivaram a Awain, empresa especializada em incrustar pedras preciosas que decidiu produzir as chaves de automóvel mais caras do mundo – as tais de meio milhão de euros. Obviamente, o destinatário típico deste produto será uma classe muito característica de árabe ou russo, que acha aceitável pagar pela chave de um Lamborghini ou de um Ferrari tanto quanto lhes custou o carro…

Quem adquire a Phantom, assim se chama a chave mais cara da Awain, pode levar para casa um objecto valioso de gosto discutível e de utilização menos prática, tanto mais que está condenada a nunca sair do bolso. Contra meio milhão de euros, o cliente compra um total de 34,5 quilates em diamantes, devidamente incrustados no invólucro da chave, que servem ainda para realçar as outras pedras preciosas que decoram a chave agora convertida em jóia. Para ajudar à festa, a caixa é construída com recurso a 175g de ouro de 18 quilates, sendo que cada exemplar é concebido e produzido à vontade do freguês. Veja os pormenores a partir do minuto 1.45:

Se por acaso é de opinião que a Phantom é demasiado cara, saiba que a Awain tem chaves mais em conta. A Serenity, proposta por 80.000€, mantém a quantidade de ouro, mas corta nos diamantes, reduzindo-os a somente 20 quilates. Se ainda acha muito e não quer mudar de fornecedor, existe a Quantum, por 49.000€, com a mesma quantidade de ouro, mas 3,6 quilates de diamantes. A chave é obviamente adaptável a praticamente todos os veículos, sendo que as marcas mais populares, entre os clientes da Awain, são a Bugatti, Bentley, Aston Martin, Maserati, Lamborghini e Rolls-Royce.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)