Rádio Observador

Museus

Polo do Museu do Chiado deverá ser inaugurado em 2020 em Chaves

O polo visa descentralizar a arte e dar a conhecer a outros públicos acervos, pinturas e esculturas "muito relevantes". Polo ficará no Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, em Chaves.

A exposição permanente do polo descentralizado será composta por peças das reservas do Museu do Chiado

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A exposição permanente do polo descentralizado de Chaves do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado deverá ser inaugurada em 2020, disse esta sexta-feira à agência Lusa a secretária de Estado da Cultura.

Este polo descentralizado ficará instalado no Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, na cidade de Chaves, distrito de Vila Real, um equipamento cultural inaugurado em julho de 2016 que homenageia o artista transmontano e que foi desenhado pelo arquiteto Siza Vieira.

A secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, afirmou que o protocolo de colaboração vai ser assinado em junho e que, até ao final do ano, será aberta uma exposição itinerante no Museu Nadir Afonso com peças da coleção do Museu do Chiado.

A governante, que falava após uma primeira reunião de trabalho com o presidente da Câmara Municipal de Chaves e a diretora do Museu Nadir Afonso, adiantou que, depois, em 2020, será inaugurada a exposição permanente do polo descentralizado, composta por peças das reservas do Museu do Chiado.

Entretanto, vai ser desenvolvido um trabalho técnico entre o município, a Direção Regional da Cultura do Norte (DRCN) e os curadores do Museu do Chiado, que irá determinar as obras que irão ser expostas no Museu Nadir Afonso.

“É muito importante percebermos o país como um todo. É importante também percebermos, tal como a senhora ministra disse há poucos dias, que há muitos museus pelo país com condições técnicas muito superiores a muitos dos museus que temos nos grandes centros urbanos e que têm acervos muito inferiores”, referiu. Por isso, acrescentou, é preciso “incrementá-los, dar-lhes mais qualidade e maior robustez”. “E isso faz parte da nossa estratégia de descentralização e democratização do acesso à cultura, ou seja, levar a cultura a todo o país e a toda a população”, salientou.

O presidente da Câmara Municipal de Chaves, Nuno Vaz, disse que o município se mostrou logo disponível para acolher um polo do Museu do Chiado, garantindo que o Museu Nadir Afonso tem todas “as condições físicas, os espaços de exposição, de segurança e a climatização necessária para acomodar obras de alguma dimensão”.

“Existe um conjunto de acervos públicos e privados, de pinturas, esculturas e de outro tipo de obras de arte muito relevante que é importante dar a conhecer a outros públicos, neste caso ao interior”, afirmou. Ao mesmo tempo, salientou, está-se a dar “mais relevância” à rede de museus que existe espalhada pelo país.

O responsável pela DRCN também esteve presente na reunião desta sexta-feira, em Lisboa, organismo que vai ajudar na elaboração do projeto.

O Museu do Chiado vai ter também um espaço expositivo no Palácio do Pelourinho, na Golegã (Santarém), para onde vai ser transferido o espólio do pintor Veloso Salgado.

A secretária de Estado da Cultura adiantou que “há mais projetos” que estão a ser pensados, nomeadamente para a zona do Alentejo, onde poderá vir a ser instalado outro polo do Museu do Chiado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
270

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)