Rádio Observador

FC Porto

Brahimi atirou certeiro ao alvo preferido: não marca tanto a mais ninguém como marca ao Portimonense

240

O argelino marcou pela sexta vez ao Portimonense, mais do que a qualquer outro adversário, e voltou aos golos fora para a Liga. Já Sérgio Conceição explicou que o FC Porto não é "só raça e grito".

Brahimi marcou o primeiro golo dos dragões em Portimão

Brahimi deixou de ser titular indiscutível do FC Porto. Brahimi, que há uns meses era tido como melhor elemento da equipa de Sérgio Conceição, perdeu o estatuto de titular indiscutível do FC Porto. Nos últimos encontros, o virtuoso argelino perdeu o lugar para Otávio e assistiu ao apito inicial sentado no banco de suplentes. Mas não este sábado. 

Este sábado, talvez porque olhou para as estatísticas e para os dados de Brahimi desde que chegou a Portugal, Sérgio Conceição decidiu colocar o argelino de início na ala esquerda do ataque dos dragões. E Brahimi nem sequer fez um grande jogo, nem sequer teve os rasgos geniais que de repente mudavam o rumo da partida e nem sequer esteve envolvido em grande parte do fluxo ofensivo do FC Porto, já que o ataque dos dragões caiu sempre na ala direita e em Manafá, Corona e Marega.

Mas Brahimi estava onde se sente bem. Ao passar do primeiro quarto de hora da primeira parte, Brahimi surgiu em velocidade à entrada da grande área e aproveitou um cruzamento atrasado de Marega para rematar de primeira e encostado ao poste da baliza de Ricardo Ferreira. E este golo não foi por acaso. Além de desbloquear o resultado e dar início àquela que se tornou uma importante vitória do FC Porto — tanto para agarrar a liderança e pressionar o Benfica como para responder à derrota a meio da semana em Anfield –, Brahimi marcou o 12.º golo da temporada, o nono na Primeira Liga e já igualou o registo da época passada. E mais: o avançado está a um golo do melhor registo goleador da carreira, em 2015/16, o primeiro ano no Dragão.

Em Portimão, Brahimi reencontrou o adversário que mais sofre com os seus golos. Desde que chegou a Portugal, o avançado argelino já marcou seis golos ao Portimonense, mais do que a qualquer outra equipa. Mais do que isso, Brahimi voltou aos golos fora para o Campeonato, algo que não acontecia desde fevereiro de 2018 — altura em que marcou, precisamente, em Portimão.

Já Sérgio Conceição, que garantiu a vitória depois da derrota em Liverpool e antes de receber a equipa inglesa na segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões, garantiu que a equipa fez uma exibição “dentro daquilo que era esperado”. “Um Portimonense com qualidade individual, que ofensivamente cria problemas a todas as equipas, já ganhou aqui ao V. Guimarães e ao Benfica. Não permitimos muito do que é essa virtude ofensiva do Portimonense. Somos uma equipa organizada, não é como um comentador que diz que aqui é tudo só na raça ou no grito, isso não existe. Tem de haver alma, mas a organização é fundamental”, explicou o treinador dos dragões, que acrescentou ainda que o FC Porto conquistou “três pontos justíssimos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)