Arte

Fundação Calouste Gulbenkian vai ter nova sede em Paris

A sede parisiense da Gulbenkian vai passar para o histórico edifício da Fondation Maison des Sciences de l'Homme, instituição científica francesa criada nos anos 60. Abre portas em janeiro de 2020.

A sede da Gulbenkian em Paris, assim como a sua biblioteca, fica atualmente no Boulevard de la Tour Maubourg

Bibliothèque Gulbenkian Paris/Remy-Pierre RIBIERE

A sede da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris vai ter uma nova morada. A partir de janeiro de 2020, passará para o histórico edifício da Fondation Maison des Sciences de l’Homme, instituição científica francesa criada nos anos 60 por Fernand Braudel, situada no 54 Boulevard Raspail, em Saint-Germain-des-Prés. A delegação francesa da fundação encontra-se atualmente instalada no Boulevard de la Tour Maubourg.

A fundação terá ainda um segundo espaço, junto à Cidade Universitária parisiense, onde passará a estar instalada a Biblioteca Gulbenkian, na Casa de Portugal André Gouveia, “servindo assim um número de alunos superior ao atual”. Até que a mudança seja efetuada, o espaço será alvo de uma intervenção, “num investimento inteiramente suportado pela Fundação. O objetivo da mudança é alargar o público-alvo da Biblioteca, fundamentalmente universitário e investigador”, esclareceu a Gulbenkian em comunicado. Na Cidade Universitária residem 12 mil estudantes.

A mudança vai coincidir com um reforço do financiamento no apoio aos artistas portugueses e à sua internacionalização, que se tornou possível graças à parceria firmada pela Gulbenkian com a Fondation Maison des Sciences de l’Homme e a Cidade Universitária. Segundo noticiou este sábado o jornal Público, este reforço “pode ir até mais 50% do que os atuais 600 mil euros”.

O objetivo é, segundo a Gulbenkian, promover “o cruzamento da cultura portuguesa com a francesa e o posicionamento da Fundação no debate europeu de defesa dos valores de abertura e tolerância”, mas também garantir uma maior centralidade do organismo na capital francesa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
807

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)