Rádio Observador

CPLP

Portugal e Cabo Verde concordam que “é tempo” de CPLP avançar na mobilidade

Primeiros-ministros de Portugal e de Cabo Verde concordaram hoje que "é tempo" de a CPLP avançar nas áreas da mobilidade e residência, no final da V Cimeira bilateral.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os primeiros-ministros de Portugal e de Cabo Verde concordaram este sábado que “é tempo” de a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) avançar nas áreas da mobilidade e residência, no final da V Cimeira bilateral.

Numa altura em que Cabo Verde detém a presidência da CPLP e Portugal o secretariado executivo, António Costa salientou que os dois países têm “em comum uma ambição muito forte” de que este seu mandato “seja marcado por um avanço de um projeto em matéria de residência e mobilidade entre cidadãos”.

“É tempo de, para lá da excelência da cooperação política e importante relacionamento económico, avancemos de forma sólida na fixação deste projeto da CPLP no quotidiano e na vida dos nossos cidadãos. Nada melhor para o fazer que o programa para a mobilidade”, defendeu Costa, na conferência de imprensa conjunta que se seguiu à V Cimeira Portugal-Cabo Verde, em Lisboa.

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, disse partilhar dos mesmos objetivos e deixou uma nota de esperança. “Acho que é desta vez que temos de fazer sair o projeto de mobilidade para dar conteúdo à comunidade e concretizar expectativas que os cidadãos têm relativamente à CPLP”, afirmou, considerando que a reunião ministerial na área da Administração Interna, que se irá realizar em Cabo Verde, poderá dar “um passo significativo” nessa matéria.

António Costa afirmou ainda esperar que “tão breve quanto possível” seja possível eliminar os vistos para os cidadãos cabo-verdianos que visitam a União Europeia.

Dos dez acordos de cooperação assinados este sábado, o primeiro-ministro salientou os instrumentos bilaterais na área da educação, considerando que se inserem na dinâmica que tem vindo a ganhar a escola portuguesa em Cabo Verde, que arrancou no ano letivo 2016/2017 com 57 alunos e já vai em 400. “Brevemente estaremos em condições de cumprir o desafio a que nos propusemos: inaugurar a segunda fase de expansão da escola até ao 12.º ano”, afirmou.

No domínio económico, Costa destacou que as empresas portuguesas “têm vindo a acompanhar com muito interesse” o programa de privatizações em curso em Cabo Verde, designadamente nas infraestruturas. “Registamos o interesse que Cabo Verde manifesta em que haja um reforço do investimento das empresas portuguesas, designadamente no desenvolvimento do setor turismo. Tudo faremos para poder suscitar esse interesse das nossas empresas”, assegurou.

O primeiro-ministro de Cabo Verde salientou o bom relacionamento económico entre os dois países, mas destacou que o tipo de cooperação com Portugal — mais centrada na capacitação institucional e qualificação dos recursos humanos — “é a que faz os países crescer”. “Vale muito mais do que pacotes financeiros”, considerou Ulisses Correia e Silva.

Também António Costa fez um balanço muito positivo dos resultados da V Cimeira, dizendo que “um motivo de satisfação” é que os dois países saem sempre com “novas ideias e novas pistas de trabalho” para o futuro. A VI Cimeira bilateral ficou marcada para 2021, em Cabo Verde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)