Rádio Observador

Primeira Liga NOS

Sérgio Conceição, o mestre da arte da retoma (a crónica do Portimonense-FC Porto)

426

Em 11 derrotas desde que é treinador do FC Porto, Sérgio Conceição venceu sempre o jogo seguinte. Os dragões venceram um Portimonense forte que causou problemas e revelou debilidades no adversário.

Brahimi marcou o primeiro a passe de Marega, Marega marcou o segundo a passe de Alex Telles

LUSA

O FC Porto chegava este sábado a Portimão com o aviso de que estava a visitar um recinto onde Benfica e Sporting perderam e onde o Sp. Braga não foi além de um empate. Os dragões, que como já vem sendo habitual estavam obrigados a ganhar para pressionar o Benfica e não arriscar perder a igualdade pontual com os encarnados, deslocavam-se ao Algarve depois da derrota em Anfield e na antecâmara da receção decisiva ao Liverpool.

O objetivo principal da equipa de Sérgio Conceição, porém, é invariavelmente a revalidação do título de campeão nacional. E nem essa proximidade com o segundo jogo dos quartos de final da Liga dos Campeões levou o treinador do FC Porto a realizar grandes poupanças: sem Felipe, que estava castigado, Éder Militão fazia dupla com Pepe no eixo da defesa, Alex Telles era titular na esquerda e Manafá na direita; Brahimi regressava ao onze e era Otávio quem começava o encontro no banco de suplentes e Herrera, Danilo e Corona ocupavam os restantes lugares no meio-campo; mais à frente, o ataque estava a cargo de Marega e Soares. Aboubakar, que está lesionado há sete meses, voltou aos treinos na semana passada e ainda integrou a convocatória de forma provisória, mas acabou por ficar de fora do lote de opções de Sérgio Conceição.

A verdade é que o encontro deste sábado era também um reencontro. Portimonense e FC Porto, clubes cuja relação próxima é inegável, motivavam o regresso de Wilson Manafá a Portimão, já que o lateral chegou aos dragões em janeiro e realizou uma primeira volta assinalável pelos algarvios, e o novo reencontro de Jackson Martínez com a equipa que representou durante três temporadas. Paulinho, que também foi jogador do FC Porto, estava castigado e era baixa no Portimonense e António Folha e Sérgio Conceição, os dois treinadores, também se reencontravam depois de partilharem balneário durante vários anos tanto nos dragões como na Seleção Nacional. Mas ainda havia mais: Lucas Fernandes e Éder Militão, que fizeram juntos toda a formação do São Paulo e são amigos próximos, também se enfrentavam este sábado.

Ficha de jogo

Portimonense-FC Porto, 0-3

29.ª jornada da Primeira Liga NOS

Estádio Municipal de Portimão, em Portimão

Árbitro: Fábio Veríssimo (AF Leiria)

Portimonense: Ricardo Ferreira, Tormena, Lucas Possignolo, Jadson, Ruben Fernandes (Henrique, 12′), Dener, Pedro Sá, Lucas Fernandes (Wellington, 70′), Tabata (Ruster, 77′), Jackson Martínez, Aylton Boa Morte

Suplentes não utilizados: Leo, Hackman, Felipe Macedo, Bruno Reis

Treinador: António Folha

FC Porto: Casillas, Manafá, Pepe, Éder Militão, Alex Telles, Corona (Otávio, 58′), Herrera, Danilo, Brahimi (Bruno Costa, 82′), Soares (Fernando Andrade, 64′), Marega

Suplentes não utilizados: Vaná, André Pereira, Mbemba, Maxi

Treinador: Sérgio Conceição

Golos: Brahimi (15′), Marega (73′), Herrera (90+3′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Lucas Fernandes (34′), Wilson Manafá (50′), Dener (57′), Jackson Martínez (62′), Aylton Boa Morte (65′), Pepe (86′)

O FC Porto dominou os primeiros instantes da partida e cedo se percebeu que o ataque dos dragões seria pautado pelo corredor direito, com a velocidade de Wilson Manafá a servir como catalisador da qualidade de Corona e da eficácia de Marega, o avançado a jogar mais descaído nesse lado. O Portimonense respondia com a orientação de Lucas Fernandes, que a partir do meio-campo organizava as transições ofensivas da equipa. O golo do FC Porto que inaugurou o marcador acabou por ser fruto dessa boa exibição da faixa direita dos dragões, mas também do infortúnio de Rúben Fernandes. O experiente defesa dos algarvios, que estava a jogar precisamente mais tombado na esquerda, a enfrentar as subidas de Corona e Manafá e a tentar parar as movimentações de Marega, sofreu uma lesão muscular depois de um lance dividido com o mexicano e acabou por ser substituído por Henrique.

Henrique, que entrou ao passar do minuto 12, não teve tempo para aquecer, para entrar no xadrez do Portimonense nem para perceber a forma como o corredor direito do FC Porto estava a atacar. Três minutos depois da entrada de Henrique, Marega apareceu em velocidade lançado por Corona, cruzou atrasado para a entrada da grande área e apareceu Brahimi a partir de trás, que rematou rasteiro, encostado ao poste e sem hipótese para Ricardo Ferreira. O golo dos dragões explorava as fragilidades defensivas do Portimonense e aproveitava a saída de Rúben Fernandes e a entrada pouco preparada de Henrique.

A reação dos algarvios ao golo, porém, não podia ter sido melhor. Lucas Fernandes, o elemento em claro destaque no Portimonense, soltou-se mais das funções defensivas que vinha a desempenhar até aí e surgiu em terrenos mais avançados, acabando por ser o protagonista de três oportunidades de golo quase consecutivas. Primeiro, o médio brasileiro apareceu quase isolado na cara de Casillas e o guarda-redes foi obrigado a cortar com os pés; depois, Lucas Fernandes atirou de livre direto à baliza do espanhol e Casillas teve de se aplicar; e após um canto batido na esquerda, Soares antecipou-se ao médio, que já surgia ao segundo poste para cabecear, e o corte do avançado brasileiro bateu no poste da baliza do FC Porto e quase ditou um autogolo.

Até ao intervalo, o jogo permaneceu algo partido, com ataques de parte a parte e com um Portimonense que nunca se resignou à desvantagem, procurando o empate mesmo até ao descanso, já que Tabata ainda beneficiou de uma ocasião de golo mesmo no último segundo da primeira parte. O FC Porto, mesmo a ganhar, mostrava alguma dificuldade na reação à perda de bola e não conseguia acalmar e segurar a partida, para irritação de Sérgio Conceição, que pedia continuamente a Herrera que temporizasse a organização dos dragões.

O Portimonense regressou para a segunda parte sem alterações e com a mesma vontade que tinha deixado patente no primeiro tempo: Lucas Fernandes continuava a ser o motor que alimentava tanto Tabata como Jackson Martínez e o FC Porto tinha ainda dificuldades em parar o médio entre linhas, já que o brasileiro atuava muito móvel e tanto descaía na direita como na esquerda. Depois de um remate para cada lado — primeiro Marega, para defesa de Ricardo Ferreira (49′), depois Tabata, de fora de área e por cima da trave de Casillas (51′) –, o corredor direito dos dragões que na primeira parte tinha desequilibrado e feito a diferença começou a cair aos bocados.

[Carregue nas imagens para ver alguns dos melhores momentos do Portimonense-FC Porto:]

Primeiro foi Jesús Corona, que sofreu um desconforto no pé direito e ficou desde logo limitado. Depois foi Wilson Manafá, que já tinha deixado perceber na primeira parte que estava com algumas dores na coxa esquerda e que acabou por cair no relvado e pedir assistência médica. A quebra de rendimento do mexicano e do português provocaram, por consequência, a quebra de rendimento de Marega, que deixou de ser solicitado pelos dois jogadores a atuar nas suas costas. O FC Porto perdeu velocidade e o apagar da faixa direita não foi compensado pela esquerda, já que Alex Telles permanece ainda algo limitado depois da lesão em Braga e Brahimi quase não apareceu na segunda parte, deixando Soares um pouco perdido na frente de ataque.

Wilson Manafá aguentou e permaneceu em campo, Corona foi substituído por Otávio e também Soares saiu para dar lugar a Fernando Andrade. Sérgio Conceição pedia velocidade e queria aproveitar o desgaste inevitável de Lucas Fernandes para tomar um pouco o controlo do jogo, já que o Portimonense chegou aos 60 minutos com mais posse de bola e mais remates do que o FC Porto.

A bola andou afastada das balizas durante grande parte do segundo tempo e o desgaste físico e natural do Portimonense encontrava o cansaço dos jogadores do FC Porto e a recordação de que terça-feira é já dia de receber o Liverpool no Dragão. Sem grandes oportunidades nem grandes rasgos à medida que o marcador se aproximava dos 90 minutos, o segundo golo dos dragões acabou por surgir fruto da qualidade individual. Alex Telles, em esforço, desmarcou Marega a descair na esquerda e o avançado maliano, à saída de Ricardo Ferreira, picou a bola e marcou o primeiro golo da conta pessoal no Campeonato desde dezembro (73′). Já no terceiro minuto de tempo extra, Herrera ainda teve tempo para fazer o terceiro dos dragões.

António Folha ainda lançou Ruster (que ainda assustou Casillas, com um remate de muito longe) e arriscou tudo, mas o Portimonense acabou por não conseguir chegar sequer ao golo de honra, depois de um jogo onde provocou muitas dificuldades ao FC Porto e mostrou o porquê de ter vencido Benfica e Sporting em Portimão. Dias depois de perder em Anfield com o Liverpool, Sérgio Conceição voltou a confirmar aquela que é uma das principais valências deste FC Porto: a reação à derrota. Em 11 derrotas para todas as competições desde que é treinador dos dragões, Sérgio venceu sempre o jogo seguinte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)