Rádio Observador

Trabalho

Catarina Martins desafia PS a rever leis laborais à esquerda contra precariedade

A coordenadora do BE, Catarina Martins, desafia o PS a ter a "coragem de aprofundar o caminho" contra a precariedade laboral e não acordar com "os patrões ou a direita" a revisão das leis do trabalho.

Catarina Martins falou no encerramento da Conferência dos Jovens do BE, em Lisboa

NUNO FOX/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, desafiou este domingo o PS a ter a “coragem de aprofundar o caminho” contra a precariedade laboral e não acordar com “os patrões ou a direita” a revisão das leis do trabalho.

Puxar o país para cima exige esse acordo à esquerda, e cabe ao PS escolher o que quer fazer: andar para trás e acordar com os patrões ou a direita, que nunca tem uma solução para oferecer, ou, pelo contrário, ter a coragem de aprofundar o caminho que responda por quem trabalha e conseguir fazer uma legislação à esquerda no parlamento”, desafiou Catarina Martins.

No encerramento da Conferência dos Jovens do BE, na escola secundária Gil Vicente, em Lisboa, a líder bloquista vincou: “O BE cá estará para esse trabalho. Veremos, veremos, o que acontece”.

O semanário Expresso noticiou no sábado que o Governo dá como impossível um acordo à esquerda sobre as leis laborais.

Oiço tantas vezes o primeiro-ministro dizer coisas como ‘é preciso parar a emigração dos mais novos’, ‘têm de querer voltar’. Entendamo-nos. Se nós levamos a sério dizer que temos jovens qualificados que queremos que trabalhem em Portugal, então, comecemos por fazer o que é preciso fazer na legislação laboral”, declarou.

Para Catarina Martins, “o que é preciso fazer é agora no parlamento acabar com a extensão do período experimental, acabar com a extensão dos contratos de muito curta duração, acabar com os bancos de horas fora da contratação coletiva”.

A coordenadora do BE defendeu que o caminho é o de “ter mais e melhores horários, e não mais horas de trabalho por menos dinheiro”, respeitando “quem trabalha por turnos e quem tem trabalho noturno”, e combatendo a precariedade.

“Se o fizermos vamos conseguir duas coisas: que quem é jovem em Portugal aqui queira viver e aqui queira pensar o seu futuro e que a segurança social fique com as contas bem mais sólidas”, sustentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)