Até aqui, a Tesla comercializava em Portugal exclusivamente duas versões do seu modelo mais barato, o Model 3, respectivamente a Long Range e a Performance, a primeira por 59.600€ e a segunda por 69.700€. Adicionou agora a possibilidade de encomendar igualmente – sem especificar quando começará a entregar as primeiras unidades – a versão Standard Range Plus, cujo preço é de 49.800€, apesar de já incluir o Interior Premium parcial e o Autopilot.

Se esta notícia é positiva para os clientes portugueses da marca americana, que passam a ter acesso a uma versão mais simples do modelo por menos quase 10.000€, é apenas mais uma mexida na gama do fabricante, numa estratégia que é difícil de entender. Em simultâneo com a abertura das encomendas para a versão Standard Range Plus, a Tesla informou também que retirava das encomendas online (mas não a possibilidade de ser adquirido através das Tesla Stores, aquelas que a marca queria fechar há umas semanas) o Model 3 Standard Version, que foi proposto durante apenas uns dias com a bateria limitada electricamente a 50 kWh, acabamentos menos sofisticados e sem Autopilot. Desaparecem também a versão Mid Range e a Long Range com apenas tracção atrás, sendo que o Autopilot passa a estar incluído no equipamento de série.

O Standard Range Plus é uma boa proposta?

O Model 3 Standard Range Plus (SRP) monta a mesma bateria da versão até aqui conhecida como Standard Range (SR), que estava limitada a 50 kWh, mas é-lhe permitido explorar toda a sua capacidade. Apesar de a marca não divulgar um valor exacto, deverá rondar os 55 kWh, pelo incremento que consegue em matéria de autonomia. Considerando os valores em EPA, o método americano de determinação de consumos e o único em que ambas as versões têm valores homologados, o Model 3 SRP percorre mais 36 km do que o SR. Como o SR anunciava em EPA uma autonomia de 353 km, significa que o consumo médio é de 14,1 kWh/100 km, o que para percorrer mais 36 km necessita de mais cerca de 5 kWh de capacidade nos acumuladores, e daí os estimados 55 kWh.

O Model 3 mais barato anuncia 225 km/h e a capacidade de atingir 100 km/h em 5,6 segundos. São obviamente valores inferiores aos reivindicados pelas versões mais dispendiosas e potentes do Model 3, o Performance e o Long Range, ambos com dois motores e tracção integral, ao contrário do SRP que possui apenas tracção traseira, dado que o primeiro anuncia 261 km/h e 3,4 segundos de 0-100 km/h, enquanto o segundo 233 km/h e 4,6 segundos de 0-100 km/h. Mas isso não impede o SRP de ser, e de longe, o eléctrico mais rápido e veloz até 59.000€.

Em matéria de autonomia, o Model 3 SRP garante 415 km pelo sistema europeu, longe pois dos 530 km alcançados com apenas uma carga de bateria pelo Performance e, sobretudo, dos 560 km do Long Range. Contudo, é uma proposta interessante face ao diferencial de preço que existe em relação às versões mais potentes, de 20 mil e 10 mil euros, respectivamente, o que abre o acesso ao Model 3 de um novo tipo de comprador – os que querem um veículo eléctrico mas não desejam ultrapassar os 50 mil euros. Valor que parece mais elevado do que é pois, face à concorrência, é bom ter presente que inclui de série o Autopilot, até aqui comercializado por 5.000 dólares nos EUA e que não estava incluído na versão mais barata do Model 3. Isto torna os 48.900€ exigidos pelo Model 3 SRP substancialmente mais competitivos, tanto mais que esta versão inclui ainda interior em pele, bancos dianteiros aquecidos e reguláveis electricamente, tejadilho em vidro escurecido e retrovisores exteriores com regulação eléctrica e rebatíveis.

O já mencionado Autopilot, incluído no equipamento de série, pode usufruir de um upgrade (na encomenda) para aquilo que a marca denomina Condução Autónoma Total, por 5.400€, que permite navegar em piloto automático nas auto-estradas, incluindo rampas de acesso e saída, interligações e ultrapassagens, além do estacionamento automático em perpendicular ou paralelo e o sistema Summon, que num parque de estacionamento permite ao condutor ordenar que o veículo venha ter consigo, automaticamente. Ainda este ano, esta versão mais avançada do Autopilot passará a reconhecer semáforos e sinais de Stop, e a obedecer-lhes, além de poder circular automaticamente em estradas e em cidade.