Rádio Observador

Exportações

Exportações portuguesas para a China aumentam 4,88% até fevereiro

154

Portugal exportou para a China nos primeiros dois meses deste ano produtos no valor de 317,3 milhões de euros, mais 4,88% relativamente ao período homólogo de 2018.

As trocas comerciais entre a China e os países lusófonos fixaram-se em 23,58 mil milhões de dólares

WU HONG/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal exportou para a China, nos primeiros dois meses deste ano, produtos no valor de 358,6 milhões de dólares (317,3 milhões de euros), mais 4,88% relativamente ao período homólogo de 2018.

De acordo com dados oficiais publicados no portal do Fórum Macau, com base nas estatísticas dos Serviços de Alfândega chineses, as trocas comerciais entre Lisboa e Pequim ascenderam a mil milhões de dólares (885 milhões de euros) no ano passado, o que corresponde a um aumento de cerca de 72 milhões de dólares (64 milhões de euros), em comparação com os dois primeiros meses de 2018.

Portugal importou da China bens no valor de aproximadamente 641,2 milhões de dólares (566,5 milhões de euros), tendo Lisboa um saldo comercial negativo com o país asiático de cerca de 282,6 milhões de dólares (249,6 milhões de euros). As importações de produtos chineses aumentaram 7,74%, em relação ao mesmo período do ano passado.

Os mesmos dados indicaram que as trocas comerciais entre a China e os países lusófonos fixaram-se em 23,58 mil milhões de dólares (20,83 mil milhões de euros) ao longo dos três primeiros meses do ano, verificando-se um crescimento de 15,61%. As importações por parte da China representam a maior parte deste valor: 17,5 mil milhões de dólares (15,46 mil milhões de euros), um aumento de 26,32% face ao mesmo período em análise de 2018.

Por sua vez, as exportações chinesas para países lusófonos registaram uma diminuição de 7,09%, tendo alcançado os 6.079 milhões de dólares (5.370 milhões de euros). O Brasil continua a ser o principal parceiro da China no âmbito do bloco lusófono, tendo registado trocas comerciais de 17,35 mil milhões de dólares (15,33 mil milhões de euros).

Pequim comprou, até ao final de fevereiro, a Brasília produtos no valor de 12,518 mil milhões de dólares (11,06 mil milhões de euros), mais 36,54% que nos meses de janeiro e fevereiro de 2018, e o Brasil adquiriu à China bens no valor de 4,83 mil milhões de dólares (4,27 mil milhões de euros), uma diminuição de 31,23%.

Angola surge no segundo lugar do ranking lusófono com trocas comerciais com a China no valor de 4,75 mil milhões de dólares (4,20 mil milhões de euros), com Luanda a enviar para Pequim produtos no valor de 4,48 mil milhões de dólares (3,96 mil milhões de euros) e a fazer compras de 266 milhões de dólares (235 milhões de euros). As trocas comerciais entre a China e Moçambique foram de 442 milhões de dólares (390 milhões de euros), nos primeiros dois meses do ano.

A China estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como plataforma para a cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que criou o Fórum Macau. Em 2018, Portugal exportou para a China produtos no valor de 2,24 mil milhões de dólares (1,98 mil milhões de euros) mais 5,59% relativamente ao período homólogo de 2017 e as trocas comerciais entre Lisboa e Pequim ascenderam a 6.016 milhões de dólares (5.315 milhões de euros) no ano passado, o que corresponde a um aumento de cerca de 408 milhões de dólares (360 milhões de euros), em comparação com 2017.

No ano passado, as trocas comerciais entre a China e os países lusófonos fixaram-se em 147,35 mil milhões de dólares (130,17 mil milhões de dólares) ao longo dos três primeiros meses do ano, verificando-se um crescimento de 25,31%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)