Cinema

“Figlia Mia” é o filme vencedor da 12.ª Festa do Cinema Italiano

Longa-metragem "Figlia mia", da italiana Laura Bispuri, venceu 12.ª Festa do Cinema Italiano. Escolha do público recaiu em "Bangla", do realizador Phaim Bhuiyan.

PHILIPP GUELLAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A longa-metragem “Figlia mia”, da realizadora italiana Laura Bispuri, foi o grande vencedor da 12.ª Festa do Cinema Italiano, anunciou a organização este domingo. A escolha do público recaiu em “Bangla”, a primeira obra do realizador Phaim Bhuiyan.

Em comunicado, a organização revela que a segunda longa-metragem de ficção da italiana Laura Bispuri foi o grande vencedor do Prémio do Júri, tendo sido escolhido graças ao “retrato de uma Sardenha quase selvagem e de uma criança perdida entre duas mulheres”.

O filme “Figlia mia” é a história de Vittoria, uma menina de 10 anos, dividida entre duas mães. De um lado Tina, “que a criou com amor e dedicação”, do outro Angelica, “uma jovem marginal que inesperadamente a reclama”. No comunicado, a organização destaca o talento e a força das representações das duas atrizes principais, Alba Rohrwacher e Valeria Golino, além da fotografia que “mostra a beleza das paisagens áridas da Sardenha”.

“Figlia Mia” foi primeiramente apresentado na edição de 2018 do Festival de Berlim, onde esteve nomeado para melhor filme, tendo marcado presença em diversos festivais de cinema, com várias nomeações, e sido premiado no Festival Internacional de Cinema de Haifa, em Israel, e no Festival Internacional de Cinema de Xangai, na China.

Já o vencedor na categoria Prémio do Público foi “Bangla”, a primeira obra de Phaim Bhuiyan, e em que é realizador e protagonista, que se inspira na sua própria vida para contar a história de um rapaz de 22 anos, com origens no Bangladesh, mas que vive em Torpignattara, nos subúrbios de Roma.

“Quando se apaixona perdidamente por Asia, uma jovem italiana, entra em pânico. De acordo com os seus pais, muito tradicionais, ele tem de casar com uma mulher Bengali, e de acordo com a lei islâmica, sexo antes do casamento é pecado”, lê-se no comunicado. “Bangla” foi inicialmente apresentado na edição deste ano do Festival de Roterdão, na Holanda.

A organização da 12.ª Festa do Cinema Italiano destaca que esta foi a edição com mais espectadores na história do festival, ressalvando que, apesar de ainda faltarem as contas finais, o número total em sala ultrapassa os 15 mil espetadores, só em Lisboa.

Acrescenta que o número total de espectadores será pelo menos 20% superior aos números da edição do ano passado.

A organização refere ainda que depois da Festa do Cinema Italiano em Lisboa, Porto, Coimbra, Almada, Setúbal, Alverca do Ribatejo, Penafiel, Moscavide e Aveiro, a mostra de cinema ruma às cidades de Abrantes, Beja, Évora, Tomar, Caldas da Rainha, Loulé, Funchal, Angra do Heroísmo, Santa Cruz da Graciosa, entre outras.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)