Rádio Observador

Venezuela

Guaidó assegura que intervenção militar na Venezuela não está em cima da mesa

Autoproclamado Presidente interino garantiu em entrevista que nunca colocou "opção militar em cima da mesa". Quem o fez, afirma, foi Nicolás Maduro, ao falar com a Síria e com o Irão.

Juan Guaidó autoproclamou-se Presidente interino da Venezuela em janeiro

Henry Chirinos/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Presidente do parlamento e autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Guaidó, assegurou que a possibilidade de uma intervenção militar estrangeira para destituir o governo de Nicolás Maduro não está em cima da mesa.

Numa entrevista publicada este domingo pelo diário argentino Clarín, Guaidó afirmou que “o único que pode autorizar uma missão e intervenção estrangeira é o Parlamento nacional. Isso elimina qualquer possibilidade de intervenção militar”.

Guaidó, que se proclamou Presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro e foi reconhecido por meia centena de países, incluindo Portugal, sustentou que desde aquele dia “se avançou muitíssimo para encurralar e encostar Maduro às cordas”, mas insistiu que, como oposição, nunca colocou a “opção militar sobre a mesa”.

“Falámos de cooperação internacional. Foi o regime de Maduro que o fez e é um escândalo”, disse, acrescentando que é o próprio Maduro que procura uma “solução militar” quando “vai falar com o Presidente sírio, Bashar al-Assad, e ameaça transformar o país em outra Síria” e permite “a abertura de voos entre Teerão (Irão) e Caracas”.

“De facto, já existe uma intervenção militar ilegítima, como a russa e a cubana, permitida por Maduro”, afirmou Guaidó, que garantiu que na Venezuela “há tropas russas não autorizadas” que “devem ir-se embora”.

Reiterou que “não pode haver uma intervenção militar, mas sim cooperação internacional” e que internamente se aguarda um posicionamento dos generais que comandam as forças armadas.

“Cerca de 97% do país está contra Maduro e 91% quer uma mudança de governo, segundo as últimas sondagens. Estamos, por isso, à espera de que os generais no ativo se pronunciem”, disse.

Guaidó classificou o regime de Maduro como uma “ditadura sádica e miserável” que “bloqueia a comida e os medicamentos ao povo faminto e necessitado e ainda se regozija com essa atitude”.

“Já vamos em mais de dois milhões por cento de inflação e o Banco Mundial projeta uns 10 milhões por cento de hiper-inflação. A contração económica este ano será 25%. O salário mínimo mensal é cinco dólares (cerca de 4,3 euros) e está a baixar”, advertiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)