Rádio Observador

Futebol

Liverpool vence Chelsea em Anfield num jogo marcado pela memória da tragédia de Hillsborough

O Liverpool venceu o Chelsea e regressou ao topo da Premier, num jogo muito marcado pelo 30.º aniversário da tragédia de Hillsborough. Mané inaugurou o marcador e Salah assinou um grande golo (2-0).

Salah marcou um dos melhores golos da temporada na Premier League

AFP/Getty Images

A 15 de abril de 1989, 96 pessoas morreram no Hillsborough Stadium, o estádio do Sheffield Wednesday, durante um jogo entre o Liverpool e o Nottingham Forest a contar para as meias-finais da Taça de Inglaterra. A tragédia, normalmente rotulada como o pior desastre de sempre associado do futebol na Europa, aconteceu devido à sobrelotação do estádio e à negligência das autoridades responsáveis pela segurança, que abriram uma porta do recinto e originaram a morte de dezenas de pessoas por esmagamento e asfixia.

Hillsborough voltou a ser notícia no início do mês, quando Dave Duckenfield, antigo chefe da polícia, foi ilibado das acusações de negligência de que era acusado. As famílias das vítimas vão recorrer e o Liverpool reforçou novamente, via comunicado oficial, que a tragédia não aconteceu devido ao comportamento dos adeptos: mas este domingo, em Anfield, as consequências legais foram esquecidas e só as 96 pessoas que morreram em Sheffield em 1989 foram recordadas. Faz esta segunda-feira 30 anos que 96 adeptos de futebol morreram a assistir a uma meia-final da Taça de Inglaterra e o Liverpool, que este domingo recebia o Chelsea, fez questão de lembrar as vítimas através de um minuto de silêncio antes do apito inicial e de um You’ll Never Walk Alone acrescidamente emotivo.

O Liverpool jogava então com o Chelsea entre a eliminatória da Champions com o FC Porto e já sabia que, meia-hora antes do apito inicial em Anfield, o Manchester City já tinha batido o Crystal Palace. Era necessário então vencer os blues para regressar ao primeiro lugar da Premier League e acabar com um registo pouco favorável frente ao Chelsea, já que o Liverpool não vencia a equipa londrina em casa há seis jogos consecutivos. Em relação ao jogo com o FC Porto a meio da semana, Robertson voltava à esquerda da defesa e Matip ocupava o lugar de Lovren ao lado de Van Dijk. Do outro lado, Giroud e Higuaín começavam no banco e Hazard atuava enquanto falso ‘9’, apoiado por Willian num corredor e Hudson-Odoi no outro.

A primeira parte foi totalmente atada e as equipas acabaram por encaixar uma na outra, sem grandes oportunidades de golo e com o Liverpool e não conseguir materializar de forma alguma o leve ascendente que foi tendo. O Chelsea apresentava-se algo cauteloso, com todos os jogadores a atuarem atrás da linha da bola à exceção de Hazard, mas os reds não conseguiam impor a habitual vertigem que implementam entre linhas e viam-se obrigados a lateralizar o jogo, sem espaço na faixa central. Na ida para o intervalo, destacava-se apenas um lance de contra-ataque rápido do Liverpool em que Sadio Mané rematou ao lado já no interior da grande área e a lesão de Rudiger, que foi substituído por Christensen e que pode falhar assim a segunda mão dos quartos da Liga Europa na próxima quinta-feira, em Londres com o Slavia Praga.

O Liverpool regressou para a segunda parte com muito mais vontade de entrar nos últimos 30 metros do meio-campo do Chelsea, com mais mobilidade no ataque, uma pressão alta mais eficaz e a clara intenção de resolver a partida e não correr riscos. Os reds praticamente resolveram o encontro em três minutos: primeiro através de Mané, que surgiu sozinho a cabecear ao segundo poste depois de uma bonita jogada rendilhada entre Salah, Firmino e Henderson (51′); e depois por intermédio do jogador egípcio, que recebeu um passe longo de Van Dijk na direita, puxou para o meio e atirou de pé esquerdo para um golo sensacional que deixou Anfield rendido ao avançado (53′).

Maurizio Sarri reagiu com a entrada de Higuaín para o lugar de Hudson-Odoi e o argentino acabou por ajudar Hazard e Willian a encadear o ataque dos blues. O Chelsea poderia mesmo ter chegado ao golo por duas vezes, sempre através do avançado belga, mas primeiro Hazard atirou ao poste (59′) e depois Alisson evitou o empate (60′). O Liverpool acabou por sofrer nos minutos seguintes ao golo de Salah, já que o Chelsea forçou e empurrou a equipa adversária para trás, mas o conjunto de Klopp conseguiu evitar as precipitações e segurou o encontro a partir do minuto 65, não deixando grande espaço à criatividade da equipa londrina.

O Liverpool venceu o Chelsea em Anfield Road depois de seis jogos consecutivos em casa com os blues sem ganhar e regressou ao topo da liderança da Premier League. Quanto ao Chelsea, perdeu pontos importantes na luta pelos lugares que dão acesso à Liga dos Campeões do próximo ano, não conseguiu ultrapassar o Tottenham e fica agora à mercê do Manchester United e do Arsenal. Na antecâmara da visita ao Dragão para decidir quem passa às meias-finais da Champions, os reds deram mais um recital de futebol ofensivo e resolveram em três minutos um jogo que estava muito difícil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)