Brexit

Negociações de Governo britânico com oposição continuam para a semana

Vice-primeiro-ministro britânico, David Lidington, assegurou que conversações com o Labour vão prosseguir. "A questão não pode arrastar-se mais", afirmou.

O vice-primeiro-ministro David Lidington reforçou a necessidade de continuar a negociar

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As discussões entre o Governo britânico e a oposição trabalhista para um compromisso sobre o Brexit vão continuar na próxima semana, para “fazer um balanço”, após o domingo de Páscoa, disse este domingo o vice-primeiro-ministro, David Lidington.

As negociações, que começaram no início deste mês, “certamente continuarão na próxima semana”, disse Lidington à BBC.

O braço direito de Theresa May afirmou que tinha acordado com John McDonnell “um programa de reuniões na próxima semana” entre membros do Governo e líderes do Partido Trabalhista “para discutir coisas como normas de proteção do ambiente, direitos dos trabalhadores e relações de segurança entre o Reino Unido e a União Europeia (UE)”.

Lidington disse esperar “fazer um balanço da situação assim que o Parlamento retomar os trabalhos depois das férias da Páscoa”, sublinhando que “a questão não pode arrastar-se mais”.

O vice-primeiro-ministro explicou que se não for alcançado um compromisso com a oposição, o Governo apresentará no parlamento uma série de opções sobre o Brexit, obrigando aquele órgão a tomar decisões, “vez de votar contra tudo”. “O Governo então implementará a vontade do Parlamento”, declarou.

Na quinta-feira passada, a primeira-ministra britânica exortou os deputados a apoiarem um compromisso entre partidos “no interesse nacional”, já que o parlamento votou três vezes contra o acordo proposto pelo Governo com a União Europeia.

Originalmente programado para 29 de março passado e depois adiado para 12 de abril, o Brexit foi programado para 31 de outubro, para dar oportunidade ao Governo de evitar uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo entre as partes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)