Rádio Observador

Política

PM “errático”, “centenodependente” e a ver o PSD mais perto nas sondagens. “Objetivamente, o PS está em dificuldades”

323

Entrevista de Mário Centeno ao Financial Times foi "disparate político" que mostra que o ministro "corre em pista própria". E que António Costa precisa mais dele do que o contrário.

CARLOS BARROSO/LUSA

Um primeiro-ministro “errático”, “centenodependente” e a fazer erros de palmatória, como valorizar umas eleições europeias que os governos habitualmente costumam “perder”. E as sondagens mostram o PSD a sete pontos percentuais, quando já esteve a 21. A análise de Marques Mendes é clara: “Objetivamente, o PS neste momento está em dificuldades”.

No seu espaço habitual na SIC, o comentador político considerou a entrevista dada por Mário Centeno ao Financial Times um “um disparate político e um bónus para a oposição”, já que o ministro das Finanças veio dizer que o governo fez “uma mudança [nas políticas económicas e sociais], mas não foi assim tão grande, foi pequenina”.

“Ele falou verdade, mas é contra o discurso oficial que diz que acabou a austeridade”, disse Marques Mendes. “Num debate, quando António Costa disser ‘o meu governo virou a página da austeridade’, Rui Rio ou Assunção Cristas vão dizer ‘o quê? Nem pense nisso, o seu ministro das Finanças disse outra coisa ao Financial Times”, que a mudança de política face à austeridade “não foi dramática”.

Para Marques Mendes, com esta posição Centeno visa  mostrar-se “lá fora como uma pessoa moderada, responsável e um pouco diferente dos outros”. “Já o disse antes, Mário Centeno corre numa pista própria, tem uma agenda. E com isso umas vezes ajuda António Costa e outras vezes nem tanto”.

Por outro lado, Marques Mendes considerou “muito interessante e curiosa” a notícia do Expresso deste fim-de-semana (na qual se pode ler que o primeiro-ministro quer contar com Centeno no próximo governo. “A notícia revela a Centenodependência. O primeiro-ministro precisa muito do ministro das Finanças, não é Centeno que precisa de António Costa. Mostra o poder enorme do ministro das Finanças [no Governo] e a fragilidade de António Costa”, disse o comentador.

Para Marques Mendes, Centeno não precisa de manter-se no Governo porque, se quiser, “pode ser o próximo vice-presidente da Comissão Europeia”. Mas até pode capitalizar o prestígio internamente. “Não acredito muito nesse cenário [de Centeno voltar ao Banco de Portugal]. Até pode voltar ao BdP e ser mesmo governador (daqui a um ano há uma escolha a fazer para esse cargo). Mas até pode daqui a sete anos ser candidato a Presidente da Republica. Pode-lhe passar isso pela cabeça também, porque é uma pessoa com prestigio e credibilidade”

Aos problemas na forma como lida com Centeno, juntam-se outros erros à performance de António Costa, diz Marques Mendes. “O que se passa com António Costa? Onde está a sua habilidade política? O PS já teve 21 pontos de diferença para o PSD. Agora tem apenas 7. Porquê tantos erros?”.

E diz quais foram os principais: geriu mal os incêndios de 2017, geriu mal o dossier de Tancos, está a gerir mal a questão das relações familiares no Governo, o familygate, escolheu um cabeça de lista às Europeias que deixa muito a desejar e valorizou as Europeias, que são as eleições mais difíceis para os Governos. Nesse aspeto sublinha que “as eleições europeias são sempre difíceis para os Governos”. “A prova disso é que, nos últimos 25 anos, o partido que estava no poder perdeu quase sempre as eleições europeias. Só houve uma exceção em 1999, quando o PS ganhou, com Mário Soares à frente da lista”.

Ou seja, diz Marques Mendes, o primeiro-ministro tem um comportamento errático. É capaz do melhor e do pior, do 8 e do 80. “É capaz de destronar António José Seguro e a seguir perder as eleições com o Passos Coelho. É capaz de fazer a geringonça e depois deitar a perder uma maioria que estava ao seu alcance.

“A verdade é que há neste momento um conjunto de irritantes que pode suscitar o protesto dos eleitores contra o Governo” e isso pode refletir-se nas europeias, habitualmente uma votação de protesto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)