Rádio Observador

Amnistia Internacional

Amnistia Internacional diz que é preciso mais assistência a afetados pelo ciclone Idai

Amnistia Internacional (AI) considerou que é necessário mais assistência internacional para ajudar e proteger os direitos das pessoas afetadas pelo ciclone Idai.

ANDRE CATUEIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Amnistia Internacional (AI) considerou este domingo que é necessário mais assistência internacional para ajudar e proteger os direitos das pessoas afetadas pelo ciclone Idai, que devastou extensas áreas em Moçambique, Zimbabué e Maláui. “Um mês após o devastador ciclone Idai, descrito como um dos piores desastres climáticos na África austral, a comunidade internacional precisa fazer mais para ajudar as pessoas afetadas”, refere a AI em comunicado.

O ciclone Idai atingiu a região centro de Moçambique, o Maláui e o Zimbabué em 14 de março, provocando mais de mil mortos nos três países. O ciclone e as cheias que se seguiram deixaram “um rasto de sofrimento, causando ainda mais caos” e “muitos mais recursos financeiros e técnicos são necessários para assegurar que as pessoas tenham acesso ao que precisam”, frisou o diretor regional da AI para a África Austral, Deprose Muchena, citado no comunicado.

“Embora a resposta humanitária liderada pelos governos dos três países afetados continue a aumentar, ainda há uma grande lacuna nos fundos necessários para a resposta necessária. Dos cerca de 390 milhões de dólares (346 milhões de euros) exigidos, apenas 88 milhões de dólares (78 milhões de euros) foram recebidos”, alertou o responsável da AI.

Deprose Muchena asseverou que Maláui, Moçambique e Zimbabué “não podem lidar sozinhos com as consequências devastadoras”. “Isso não é suficiente para lidar com o impacto devastador do ciclone. Fornecer mais assistência é imperativo para proteger os direitos humanos”, acrescentou Deprose Muchena.

O diretor regional da AI lembrou os “milhares casos de malária e cólera” e afirmou que “as pessoas ainda estão lutando para suprir as suas necessidades básicas, pois ainda enfrentam escassez de alimentos, riscos para a saúde e falta de acesso à água potável como resultado da infraestrutura danificada”.

Mais assistência internacional “é necessária para garantir que as pessoas não fiquem sem bens essenciais, como alimentos, água potável e medicamentos”, disse Deprose Muchena, sustentando que “esta situação mostra como os direitos das pessoas estão em risco e precisam ser urgentemente protegidos, não apenas agora, mas também nos próximos meses, durante os quais os efeitos do ciclone ainda serão sentidos”.

O Banco Mundial calcula que sejam necessários 2.000 milhões de dólares (1.768 milhões de euros) para recuperar infraestruturas e meios de sustento nos países afetados pela passagem do ciclone Idai por Moçambique, Maláui e Zimbabué.

Na quinta-feira passada, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral lançou um apelo para a recolha de 323 milhões de dólares (287 milhões de euros) para “responder à crise de forma eficaz” e “prestar assistência humanitária com urgência”, após a passagem do ciclone que terá afetado cerca de três milhões de pessoas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)