Direitos de Autor

Conselho da UE aprova os polémicos artigos 13 (agora 17) e 11 (agora 15) da nova lei de direitos de autor

O texto final da diretiva sobre os direitos de autor prevê exceções aos 2 artigos mais polémicos. Modificações foram feitas pela França e pela Alemanha, dois dos países com mais peso.

PATRICK SEEGER/EPA

Os dois artigos mais polémicos da nova lei de direitos de autor — o 11 (agora 15) e o 13 (agora 17) — foram esta segunda-feira aprovados no Conselho da União Europeia (UE), onde estão representados os Estados-membros, com as regras a entrarem em vigor dentro de um ano e a trazerem responsabilidades às plataformas.

Os artigos polémicos desta diretiva eram o 11 e o 13: enquanto o artigo 11 dizia respeito à proteção de publicações de imprensa para utilizações digitais, prevendo um pagamento a essa mesma publicação na partilha de links ou de referências, o artigo 13 previa a criação de um mecanismo para controlar o material que é carregado nas plataformas por parte dos utilizadores, sistema este que tem sido muito criticado por não conseguir distinguir um uso legal (como a citação) de uma utilização ilegal.

Apesar de se manterem, estes artigos têm agora nova numeração, passando a ser os artigos 15, referente à proteção de publicações de imprensa na Internet, e 17, assentando sobre a utilização por prestadores de serviços de conteúdos protegidos. 

Além da numeração diferente, o texto final da diretiva continha as exceções que resultaram de modificações feitas pela França e pela Alemanha, dois dos países com mais peso no Conselho da UE, e que já tinham sido incluídas antes da votação feita no Parlamento Europeu, no final de março.

Assim, o artigo 15 passa a excluir do pagamento à imprensa a utilização de partes dos seus conteúdos para uso privado, como palavras ou frases curtas.

No que toca ao artigo 17, as plataformas que tenham um volume de negócios anual abaixo dos dez milhões de euros, menos de cinco milhões de visitantes por mês e estejam online há menos de três anos têm obrigações mais ligeiras.

Todas as restantes são obrigadas a instalar um sistema para controlar o material que é carregado pelos utilizadores, sem afetar “as utilizações legítimas”, que era uma das preocupações do setor.

Isto significa que as ‘gigantes’ tecnológicas (como o YouTube ou o Facebook) passam a ser responsáveis pelos conteúdos carregados pelos utilizadores, devendo celebrar acordos de concessão de licenças com os titulares de direitos e disponibilizar mecanismos de reclamação.

Em comunicado, a presidência romena do Conselho da UE (rotativa) dá conta de que os Estados-membros aprovaram esta segunda-feira “uma diretiva que moderniza a atual legislação […] em matéria de direitos de autor, visando traçar o caminho para um verdadeiro mercado único digital”.

As novas regras garantem uma proteção adequada aos autores e artistas, ao mesmo tempo que criam novas possibilidades de acesso e partilha de conteúdos protegidos por direitos de autor em toda a União”, salienta.

A aprovação no Conselho da UE é um dos passos finais para a lei entrar em vigor, após um processo de decisão iniciado há três anos e marcado por fortes críticas do setor.

Segue-se agora a publicação no Jornal Oficial da UE e, depois, os países têm um ano para adotar as novas regras. Inicialmente, previa-se um período de transposição de dois anos.

Também em comunicado, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, congratulou-se com o acordo hoje alcançado, vincando que “a Europa terá agora regras claras que garantem uma remuneração justa para os criadores, direitos fortalecidos para os utilizadores e responsabilidade para as plataformas”.

A aprovação de hoje surge após o acordo provisório, conseguido em meados de fevereiro deste ano, por negociadores do Conselho da UE, do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, no âmbito do ‘trílogo’ entre estas instituições.

A diretiva teve aval final do Parlamento Europeu no final de março, numa votação em plenário que contou com 348 votos a favor, 274 contra e 36 abstenções.

A primeira proposta sobre foi apresentada em 2016 pela Comissão Europeia e, devido à intensa polémica que causou, o texto sofreu várias alterações ao longo dos anos.

*Título alterado para “aprovado” para não induzir em erro o leitor

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)