António Costa

Costa afirma que escolha da mandatária do PS é sinal da aposta na juventude e na mudança

257

"A Europa tem de ser um grande projeto da geração mais jovem", destacou Costa. Filipa Maia tem 18 anos e quer lutar contra as alterações climáticas, o trabalho precário e a discriminação de género.

A mandatária nacional da lista do PS concorre às eleições de 26 de maio

RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PS afirmou esta segunda-feira que a escolha da estudante Filipa Maia, de 18 anos, para mandatária nacional da lista europeia socialista é um sinal de aposta na juventude e na mudança do projeto europeu.

“A Europa não pode ser só uma bela história do passado. A Europa tem de ser, sobretudo, um grande projeto para o futuro, um grande projeto da geração mais jovem”, declarou António Costa no breve discurso que proferiu no encerramento da sessão de apresentação da mandatária nacional da lista do PS às eleições de 26 de maio próximo.

Antes de António Costa, a jovem mandatária nacional do PS, que é estudante de Relações Internacional na Universidade de Coimbra, tinha defendido como desafios da sua geração a luta contra as alterações climáticas e contra o trabalho precário, e o combate à discriminação de género ou em função da orientação sexual. Filipa Maia falou ainda na crise dos refugiados, dizendo que a Europa não pode responder a esse problema de humanidade com “arame farpado”.

O secretário-geral do PS pegou depois nestas palavras sobre a crise dos refugiados e advertiu que nada em termos de valores pode ser dado como adquirido para futuro.

“Temos o Reino Unido sem saber se sai ou se fica, mas com um voto para sair da União Europeia. Hoje vemos em alguns países europeus ameaças à independência dos tribunais, à liberdade de ensinar e à liberdade de imprensa. Demos também por adquirido que a Europa se fundava no valor da dignidade da pessoa humana, mas uma Europa que se funda nesse princípio não pode aceitar transformar o Mediterrâneo num cemitério, em vez de acolher quem procura proteção internacional”, criticou o líder socialista.

António Costa considerou depois essencial que a Europa tenha uma agenda social, na qual o capítulo da juventude tem de possuir um papel fundamental.

“No programa do Partido Socialista Europeu, essa prioridade está lá, em primeiro lugar no direito de todos no acesso à melhor educação possível, à formação ao longo da vida, à estabilidade no mercado de trabalho, à igualdade de direitos, na exigência de uma sociedade da igualdade de oportunidades e no acesso à habitação”, sustentou.

De acordo com o secretário-geral do PS, os socialistas têm uma agenda para a juventude do século XXI” e, por isso, na sua perspetiva, “ninguém melhor do que uma pessoa nascida no ano 2000, como a Filipa Maia, para representar a lista do PS como mandatária nacional nas eleições europeias”. “É um sinal que a causa do PS é uma causa de futuro e aposta na nova geração do século XXI”, acrescentou.

No primeiro discurso da sessão, o cabeça de lista socialista, Pedro Marques, também numa breve intervenção, classificou como “diferente do habitual” a escolha de Filipa Maia para mandatária nacional. “Esta é uma lista que quer marcar a diferença. Renovámos muito esta lista e reduzimos muito a sua média etária”, advogou, antes de deixar uma crítica indireta a outras forças políticas.

Pedro Marques disse então que a lista europeia do PS tem “a representação de todas as regiões do país”. “Já agora, tem representantes das duas regiões autónomas [Açores e Madeira] em lugar elegível. Não temos de facto um candidato a deputado que é meio da Madeira e meio dos Açores”, referiu, numa alusão ao PSD.

Mas o cabeça de lista socialista foi ainda um pouco mais longe nas suas críticas. “Não apresentamos protagonistas do passado, em particular aqueles que aplaudiram os cortes e as sanções no tempo anterior”, acrescentou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)