Rádio Observador

Macau

Macau assume reforço legal e de segurança para defender autoridade da China

Chui Sai On reforçou que a defesa da segurança nacional é uma responsabilidade constitucional e que existe somente o dever para com 'um país', sem distinção dos 'dois sistemas'.

"A promoção da construção de uma cidade segura em Macau é condição indispensável do desenvolvimento socioeconómico e é um contributo relevante para a grande obra 'um país, dois sistemas", afirmou o chefe do Governo

CARMO CORREIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O chefe do Governo de Macau sublinhou esta segunda-feira que o reforço legal e de segurança desenvolvido no território no último ano tem como objetivo defender os residentes e a autoridade da China.

“O Governo da Região Administrativa Especial de Macau [RAEM] tem vindo a reforçar os regimes e mecanismos e desenvolvido o seu sistema legal, tendo como finalidades últimas a defesa da autoridade do Governo central e os interesses fundamentais dos residentes”, afirmou Fernando Chui Sai On no discurso na cerimónia de inauguração de uma exposição sobre segurança nacional.

Este esforço acontece “desde a criação da Comissão de Defesa da Segurança do Estado da RAEM”, num ano em que o Governo de Macau avançou com leis e propostas que causaram algumas críticas, inclusive na própria Assembleia Legislativa, acrescentou.

Em pouco mais de um ano, o território decidiu investir no reforço da videovigilância, na lei da cibersegurança (para proteger operadores de infraestruturas críticas e garantir a segurança pública e ordem pública), lei da utilização e proteção da bandeira, emblema e hino chineses (que prevê pena até três anos de prisão a quem pública e intencionalmente ultrajar os símbolos e representações do país) e a lei de bases da proteção civil, na qual o crime de falso alarme social pode também resultar em três anos de cadeia.

Esta manhã, na exposição de Educação sobre a Segurança Nacional, que Governo de Macau “e o Gabinete de Ligação do Governo Central na RAEM planearam cuidadosamente”, Chui Sai On foi perentório: “A defesa da segurança nacional é uma responsabilidade constitucional” e “para a RAEM existe somente o dever para com ‘um país’, sem distinção dos ‘dois sistemas'”.

“Orientada pelo pensamento do Presidente Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas na nova era, a exposição tem como tema principal a ‘Visão abrangente da segurança nacional”, estando patentes os resultados e as principais ações desenvolvidas pela China, bem como “o conjunto das iniciativas promovidas pela RAEM no âmbito do cumprimento da Constituição e da Lei Básica e da defesa da segurança nacional”, destacou.

“A promoção da construção de uma cidade segura em Macau é condição indispensável do desenvolvimento socioeconómico e é um contributo relevante para a grande obra ‘um país, dois sistemas'”, afirmou o chefe do Governo, até porque, concluiu, “a atual conjuntura mundial é complexa e o país, este ano, continua a enfrentar desafios, em termos de segurança”.

Após mais de 400 anos sob administração portuguesa, Macau passou a ser uma Região Administrativa Especial da China a 20 de dezembro de 1999, com um elevado grau de autonomia acordado durante um período de 50 anos.

A exposição está patente até 15 de maio no Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Macau não é como Hong Kong. Pois não

José Álvares
177

Embora ambos fossem entrepostos de comércio, em Macau havia cooperação por parte de Portugal com a China, enquanto em Hong Kong havia apenas o dizer dos britânicos. 

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)