Moçambique

Jornalistas moçambicanos impedidos de assistir ao início do julgamento de Nini Satar

Os guardas da cadeia onde o julgamento se realiza autorizaram a entrada de jornalistas, sem repórteres de imagem, duas horas depois do início da sessão. Satar é acusado de falsificação de passaporte.

Julgamento realiza-se em Machava, município da Matola

CLEMENS BILAN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Jornalistas moçambicanos foram esta terça-feira impedidos de acompanhar o início do julgamento de Nini Satar, condenado em 2000 pelo assassínio do jornalista moçambicano Carlos Cardoso e que agora responde por falsificação de documentos.

Os jornalistas foram impedidos pelos guardas prisionais da cadeia de máxima segurança localizada na Machava, município da Matola, onde o julgamento decorre. Duas horas após o início do julgamento, que começou às 08h00 locais (menos uma hora em Lisboa), os jornalistas foram convidados a entrar, mas sem repórteres de imagem.

Nini Satar é acusado de falsificação de passaporte, num esquema que também envolve um funcionário do Serviço de Migração de Moçambique e o seu sobrinho, cujo nome terá sido usado na falsificação do documento.

No final da sessão, os advogados de defesa dos réus, incluindo Flávio Menete, bastonário da Ordem dos Advogados, disseram à imprensa que não solicitaram que a audiência fosse à porta fechada.

Durante o julgamento, Nini Satar alegou que falsificou o passaporte para sair de Moçambique, porque corria risco de vida no país, depois de ter solicitado à Procuradoria-Geral um passaporte.

Nini Satar recusou regressar a Moçambique após ter obtido uma autorização judicial para tratamento médico no estrangeiro, na sequência da liberdade condicional, após cumprir metade dos 24 anos de prisão a que foi condenado em 2003 pelo homicídio do jornalista moçambicano Carlos Cardoso três anos antes.

Nini Satar acabou por ser capturado em julho de 2018 na Tailândia, em cumprimento de um mandado internacional.

O Tribunal Judicial da Cidade de Maputo pronunciou Nini Satar por seis crimes cometidos em 2016, nomeadamente duas tentativas de rapto, uso de armas proibidas, associação para delinquir, um roubo qualificado e rapto consumado.

A justiça moçambicana suspeita que Nini Satar seja um dos responsáveis pela onda de raptos que atingiu Maputo entre 2011 e 2014, visando principalmente homens de negócios ou familiares destes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)