Rádio Observador

Londres

Quase 300 pessoas detidas em Londres em protestos contra alterações climáticas

Os dois dias de protesto pacífico em Londres direcionado ao governo britânico contra as alterações climáticas levou à detenção de 290 pessoas por obstrução da via pública.

Os organizadores estimam que tenham mobilizado entre 5.000 a 10.000 pessoas, mantendo o objetivo de continuar nos próximos dias

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Quase 300 pessoas foram detidas desde segunda-feira em Londres em protestos contra as alterações climáticas, anunciou na noite de terça-feira a polícia britânica, em novo balanço.

“Às 21:30, tinham sido efetuadas um total de 168 detenções”, indicou em comunicado a Polícia Metropolitana, elevando para “290 o número total de detenções em dois dias”.

A maioria das detenções foi feita por obstrução da via pública em locais como a ponte de Waterloo, que atravessa o rio Tamisa ou Oxford Circus, onde uma grande parte dos manifestantes se concentrou empunhando cartazes que dizem “Não existe Planeta B” ou “Extinção é para sempre”.

Apesar da intervenção da polícia para tentar remover as pessoas e da imposição de medidas para manter a ordem pública que pretendiam concentrar o protesto num local apenas, em Marble Arch, várias estradas continuam interrompidas.

Apesar de algumas ações mais exaltadas, como o vandalismo da sede da petrolífera Shell com pinturas no exterior e a destruição de uma porta de vidro, o ambiente nos protestos tem sido pacífico.

Na Ponte de Waterloo foram instalados vasos com árvores, flores, tendas e uma rampa de ‘skate’ e em Oxford Circus, zona comercial e turística da capital britânica, foi instalado um barco de pesca pintado de cor de rosa chamado Berta Cáceres, em homenagem à ativista hondurenha assassinada em 2016.

Os organizadores estimam que tenham mobilizado entre 5.000 a 10.000 pessoas, mantendo o objetivo de continuar nos próximos dias, no âmbito de uma campanha prevista para cerca de 80 cidades em mais de 30 países.

O objetivo é usar atos de desobediência civil sem recorrer à violência, mas que perturbe a sociedade para criar o impacto que as formas convencionais de sensibilização não conseguiram ter. O grupo Extinction Rebellion ganhou destaque recentemente ao realizar um protesto no parlamento britânico no início do mês, quando os manifestantes se despiram durante um debate sobre o ‘Brexit’.

Entre as principais reivindicações estão que o governo britânico declare uma emergência climática e ecológica, introduza políticas para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa para zero até 2025 e crie uma assembleia de cidadãos para tomar decisões sobre as mudanças climáticas.

Protestos em Portugal

O ramo português da organização Extinction Rebellion teve ontem uma ação de protesto durante um evento incluído no roteiro para a neutralidade carbónica. Os ativistas interromperam várias vezes um discurso do ministro do Ambiente. João Matos Fernandes reagiu com “ooohhhh…” prolongado. Depois, atirou: “The s… The daughter of a preacher man”. Em português: “A filha de um pregador“. O governante fazia assim uma adaptação a uma música da britânica Dusty Springfield “The Son of a preacher man”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)