Rádio Observador

Parlamento Europeu

Parlamento Europeu aprova obrigatoriedade de tecnologias de segurança nos carros novos

O regulamento estabelece que até 2022 os veículos novos devem estar equipados com tecnologias inteligentes de segurança. Novas medidas tiveram 578 votos a favor, 30 contra e 25 abstenções.

O regulamento foi aprovado no hemiciclo de Estrasburgo, em França

KIMIMASA MAYAMA/EPA

O Parlamento Europeu aprovou esta terça-feira um regulamento que prevê que os veículos novos vendidos na União Europeia a partir de 2022 estejam obrigatoriamente equipados com tecnologias de segurança como sistemas de adaptação inteligente de velocidade e de travagem de emergência.

O diploma estabelece que, dentro de três anos, todos os veículos novos — automóveis de passageiros, comerciais ligeiros, camiões e autocarros — tenham de estar equipados com sistema de adaptação inteligente da velocidade, pré-instalação de dispositivos de bloqueio da ignição sensíveis ao álcool, avisador da sonolência e da atenção do condutor, avisador avançado da distração do condutor, sinal de travagem de emergência, deteção de obstáculos em marcha-atrás e aparelho de registo de acidentes (“caixa negra”).

Relativamente a uma das principais inovações, o sistema de adaptação inteligente de velocidade, a relatora do Parlamento, a eurodeputada Rózà Thun, explicou que este dispositivo “fornecerá indicações ao condutor, com base em mapas e na observação da sinalização rodoviária, quando o limite de velocidade for ultrapassado”.

“Não introduzimos um limitador de velocidade, mas sim um sistema inteligente para alertar os condutores de que estão em excesso de velocidade. Isso não apenas nos deixará mais seguros, como ajudará os condutores a evitar multas por excesso de velocidade”, precisou, acrescentando que o regulamento permite que se possa desligar este sistema.

As novas regras, aprovadas esta terça-feora no hemiciclo de Estrasburgo (França), com 578 votos a favor, 30 contra e 25 abstenções, preveem igualmente que os automóveis e os veículos comerciais ligeiros tenham também de incluir um sistema avançado de travagem de emergência, que já é obrigatório para os camiões e os autocarros, e um sistema de aviso de afastamento da faixa de rodagem. Os sistemas de controlo da pressão dos pneus serão aplicáveis a todas as categorias de veículos.

Por fim, as novas regras estabelecem requisitos específicos para os camiões e os autocarros, determinando que estes devem ser concebidos e construídos de modo a maximizar a visibilidade direta dos utentes da estrada vulneráveis, como peões e ciclistas, reduzindo tanto quanto possível os ângulos mortos na dianteira e nas laterais do motorista.

As novas regras, cujo objetivo é ajudar a reduzir o número de acidentes nas estradas europeias e proteger peões e ciclistas, abrindo também caminho ao desenvolvimento de veículos automatizados, são aplicáveis a partir de maio de 2022.

De acordo com dados preliminares recentemente publicados pela Comissão Europeia, cerca de 25.100 pessoas perderam a vida nas estradas europeias e cerca de 135 mil ficaram gravemente feridas no ano passado, estimando-se que mais de 90% dos acidentes rodoviários resultem de algum nível de erro humano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)