Rádio Observador

Guiné Equatorial

Primeiro-ministro de Cabo Verde afirma que Guiné Equatorial vai abolir pena de morte

O primeiro-ministro cabo-verdiano afirmou que a pena de morte na Guiné Equatorial será abolida até ao final do ano, informação que disse ter recebido do Presidente equato-guineense.

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, encontrou-se com o Presidente da Guiné Equatorial esta terça-feira.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo Verde, afirmou esta terça-feira que, quando recebeu oficialmente o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, que lhe disse que o país vai abolir a pena de morte.

No final do encontro, o chefe do Governo de Cabo Verde congratulou-se com “a decisão da Guiné Equatorial de abolir a pena de morte, decisão que vai ser concretizada este ano”.

O Presidente [Teodoro Obiang] assegura que o conjunto de reformas institucionais para tornar a Guiné Equatorial um Estado democrático respeitado será implementado, o que é uma boa notícia para Cabo Verde e para a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]”, adiantou.

Segundo Ulisses Correia e Silva, o diálogo com Teodoro Obiang incluiu uma conversa sobre “os esforços e investimento necessários na língua portuguesa, tendo em conta que a Guiné Equatorial é um país da CPLP”.

“Há um engajamento reforçado, ao nível da possibilidade de existirem professores cabo-verdianos ou portugueses na Guiné Equatorial, conforme as possibilidades desse país”, referiu o primeiro-ministro de Cabo Verde, país que assume este ano a presidência rotativa da CPLP.

Está ainda a ser analisada a possibilidade de estudantes da Guiné Equatorial frequentarem cursos em Cabo Verde, através de “uma parceria especial que vai ser desenvolvida com o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), sediado na cidade da Praia, para que a assunção desse compromisso firme da integração plena da Guiné Equatorial seja uma realidade”.

Para Ulisses Correia e Silva, estes são “progressos evidentes” que a Guiné Equatorial está a fazer.

Há uma declaração inequívoca [sobre a abolição da pena de morte] do Presidente da República da Guiné Equatorial, um prazo fixado. Tudo aponta que será concretizado ainda este ano. E além disso, outras reformas de natureza política se seguirão”, declarou.

O chefe de Estado da Guiné Equatorial chegou segunda-feira a Cabo Verde, onde foi recebido pelo seu homólogo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca.

Na noite de segunda-feira, o Presidente de Cabo Verde ofereceu um banquete a Teodoro Obiang no Palácio da Presidência da República.

Na ocasião, Jorge Carlos Fonseca manifestou “total disponibilidade para continuar a contribuir para a plena integração” da Guiné Equatorial na CPLP, “seus princípios e valores”.

E saudou, em particular, o propósito “claramente manifestado” por Teodoro Obiang de “ver abolida a pena de morte na Guiné Equatorial ainda durante este ano de 2019”.

Após a visita de Ulisses Correia e Silva, o Presidente da Guiné Equatorial visitou a Assembleia Nacional, tendo ainda previstas visitas ao Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) e ao Data Center.

À tarde, a comitiva desloca-se à Cidade Velha, para um percurso guiado com o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, antes de uma visita ao Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) e à Escola de Hotelaria e Turismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)