Guiné Equatorial

Primeiro-ministro de Cabo Verde afirma que Guiné Equatorial vai abolir pena de morte

O primeiro-ministro cabo-verdiano afirmou que a pena de morte na Guiné Equatorial será abolida até ao final do ano, informação que disse ter recebido do Presidente equato-guineense.

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, encontrou-se com o Presidente da Guiné Equatorial esta terça-feira.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo Verde, afirmou esta terça-feira que, quando recebeu oficialmente o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, que lhe disse que o país vai abolir a pena de morte.

No final do encontro, o chefe do Governo de Cabo Verde congratulou-se com “a decisão da Guiné Equatorial de abolir a pena de morte, decisão que vai ser concretizada este ano”.

O Presidente [Teodoro Obiang] assegura que o conjunto de reformas institucionais para tornar a Guiné Equatorial um Estado democrático respeitado será implementado, o que é uma boa notícia para Cabo Verde e para a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]”, adiantou.

Segundo Ulisses Correia e Silva, o diálogo com Teodoro Obiang incluiu uma conversa sobre “os esforços e investimento necessários na língua portuguesa, tendo em conta que a Guiné Equatorial é um país da CPLP”.

“Há um engajamento reforçado, ao nível da possibilidade de existirem professores cabo-verdianos ou portugueses na Guiné Equatorial, conforme as possibilidades desse país”, referiu o primeiro-ministro de Cabo Verde, país que assume este ano a presidência rotativa da CPLP.

Está ainda a ser analisada a possibilidade de estudantes da Guiné Equatorial frequentarem cursos em Cabo Verde, através de “uma parceria especial que vai ser desenvolvida com o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), sediado na cidade da Praia, para que a assunção desse compromisso firme da integração plena da Guiné Equatorial seja uma realidade”.

Para Ulisses Correia e Silva, estes são “progressos evidentes” que a Guiné Equatorial está a fazer.

Há uma declaração inequívoca [sobre a abolição da pena de morte] do Presidente da República da Guiné Equatorial, um prazo fixado. Tudo aponta que será concretizado ainda este ano. E além disso, outras reformas de natureza política se seguirão”, declarou.

O chefe de Estado da Guiné Equatorial chegou segunda-feira a Cabo Verde, onde foi recebido pelo seu homólogo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca.

Na noite de segunda-feira, o Presidente de Cabo Verde ofereceu um banquete a Teodoro Obiang no Palácio da Presidência da República.

Na ocasião, Jorge Carlos Fonseca manifestou “total disponibilidade para continuar a contribuir para a plena integração” da Guiné Equatorial na CPLP, “seus princípios e valores”.

E saudou, em particular, o propósito “claramente manifestado” por Teodoro Obiang de “ver abolida a pena de morte na Guiné Equatorial ainda durante este ano de 2019”.

Após a visita de Ulisses Correia e Silva, o Presidente da Guiné Equatorial visitou a Assembleia Nacional, tendo ainda previstas visitas ao Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) e ao Data Center.

À tarde, a comitiva desloca-se à Cidade Velha, para um percurso guiado com o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, antes de uma visita ao Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) e à Escola de Hotelaria e Turismo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)