OCDE

Taxa de emprego no 4.º trimestre de 2018 sobe na OCDE e desce em Portugal

Na zona euro, a taxa de emprego apenas desceu em três países: Letónia, Lituânia e Portugal. Cá, a taxa desceu uma décima, para 69,9%.

Os dados foram divulgados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico

EDUARDO COSTA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A taxa de emprego no quarto trimestre de 2018 subiu para 68,6% no conjunto da OCDE, uma décima face ao trimestre anterior, e desceu em Portugal para 69,9%, menos uma décima, foi esta terça-feira anunciado.

Segundo dados esta terça-feira divulgados pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), as referidas taxas de emprego traduziam-se em 571 milhões de pessoas com emprego nos 36 países da OCDE e em 4,630 milhões de empregados em Portugal. No último trimestre de 2018 a taxa de emprego subiu em 26 dos 36 países da organização.

Na zona euro, a taxa de emprego continuou a aumentar no quarto trimestre de 2018, designadamente 0,2 pontos percentuais para 67,6%, e apenas desceu em três países, incluindo Portugal. Além de Portugal, a taxa de emprego desceu seis décimas na Letónia e na Lituânia.

Em sentido contrário, a taxa de emprego subiu pelo menos seis décimas na Estónia, Luxemburgo, Finlândia e Eslovénia. Fora da zona euro, a taxa de emprego subiu quatro décimas no Reino Unido e três décimas no Canadá, República Checa, Hungria, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos e desceu um ponto percentual na Nova Zelândia e seis décimas de pontos percentuais na Turquia.

Em termos homólogos, a taxa de emprego na OCDE subiu seis décimas no último trimestre de 2018, refletindo maiores taxas de participação da força laboral e em menor medida uma descida da taxa de desemprego, sublinha a OCDE.

Na zona euro, a subida da taxa de emprego, de oito décimas face ao último trimestre de 2017, está sobretudo relacionada com uma queda do desemprego, mas com diferenças significativas entre os 18 Estados membros, refere a OCDE.

Os fortes aumentos das taxas de emprego na Lituânia e Luxemburgo refletem taxas de participação da força laboral mais elevadas, enquanto os verificados na Finlândia, Grécia e República Eslovaca estão predominantemente relacionados com níveis mais baixos de desemprego.

No Japão e nos Estados Unidos, o aumento da taxa de emprego reflete um aumento da taxa de participação da força de trabalho, enquanto no Reino Unido, as contribuições do desemprego e da participação da força de trabalho são praticamente iguais, precisa a OCDE.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado Social

São precisos mais ricos em Portugal

Francisco Coelho
1.099

Estudo da OCDE coloca dedo na ferida. Afinal qual é a ligação da riqueza e justiça social? É que sem ricos ou riqueza não há fontes de rendimento atractivas para as pessoas nem receitas para o Estado

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)