União Europeia

UE recusa reconhecer soberania israelita sobre os Montes Golã

494

O território tem importantes recursos de água e uma grande importância estratégica e económica para Israel e Síria. Posição foi defendida por Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia.

Debate ocorreu no Parlamento Europeu em Estrasburgo, França

STEPHANIE LECOCQ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A União Europeia (UE) recusa reconhecer a soberania israelita sobre os Montes Golã e considera perigosa a vontade de mudar fronteiras por via militar, afirmou esta terça-feira a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, no Parlamento Europeu.

“A UE não reconhece a soberania de Israel sobre os territórios ocupados e esta posição, reiterada muitas vezes, aplica-se aos Montes Golã”, declarou a Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, durante um debate no Parlamento Europeu em Estrasburgo (França), na última sessão plenária antes das eleições europeias de maio.

Israel conquistou uma grande parte dos Golã sírios na guerra israelo-árabe de 1967, antes de os anexar em 1981, numa decisão nunca reconhecida pela comunidade internacional. Com importantes recursos de água, os Montes Golã são um território estratégico e de grande importância económica, tanto para Israel como para a Síria.

“Modificar as fronteiras ‘manu militari’ [expressão em latim que significa com força militar] é uma ideia perigosa. As normas internacionais devem ser respeitadas”, insistiu Federica Mogherini.

Em março último, o Presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu reconhecer “formalmente” a soberania de Israel sobre os Golã. A decisão de Trump representou uma rutura com a posição assumida pelos Estados Unidos durante várias décadas.

Um grupo composto por mais de 30 antigos ministros dos Negócios Estrangeiros e dirigentes europeus, incluindo o belga Guy Verhofstadt, líder do grupo Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE), pediu na segunda-feira a Mogherini, através de uma carta, que reafirmasse a posição da UE para contestar a decisão de Trump.

“A UE considera Israel e os israelitas como amigos e parceiros. Considera a Autoridade Palestiniana e os palestinianos como amigos e parceiros. Considera a administração norte-americana e os norte-americanos como amigos e parceiros. Reafirmar a nossa posição de maneira clara e unida não significa ser hostil para com os nossos interlocutores que, entretanto, mudaram a sua abordagem”, argumentou Federica Mogherini.

A representante reiterou ainda o apoio da UE ao reconhecimento de dois Estados, Israel e Palestina, convivendo lado a lado em paz e dentro de fronteiras reconhecidas e seguras, com Jerusalém como capital.

Federica Mogherini salientou também que abandonar a solução dos dois Estados “só trará o caos ao Médio Oriente”, finalizando que a UE continuará a apelar ao relançamento das negociações de paz.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

O Roteiro dos Quatro Presidentes

António Covas

É esta acumulação de riscos, esta “desesperança no futuro”, onde o elevador social parece não funcionar, que estão a minar, a pouco e pouco, a confiança nas instituições e a criar o azedume político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)