Eleições Europeias

Europeias. Partidos contam gastar 4,9 milhões de euros na campanha eleitoral

O PS apresentou o orçamento mais elevado e a maior parte destina-se a "comícios e espetáculos". O PSD estima gastar 890 mil euros e o orçamento mais baixo é o do PPT, com um orçamento de mil euros.

Eleições ocorrem a 26 de maio

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Dezasseis partidos políticos e coligações contam gastar 4,9 milhões de euros na campanha eleitoral das europeias de 26 de maio, com o PS a apresentar o orçamento mais elevado, de 1,2 milhões de euros.

De acordo com os orçamentos esta quarta-feira publicados na página da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos [ECFP], que funciona junto do Tribunal Constitucional, apenas um partido, o Nós, Cidadãos, não entregou o orçamento de campanha.

O PS apresentou a estimativa de gastos mais elevada, de 1.250 mil euros, contando receber 1.150 de subvenção pública e obter 100 mil euros em “angariação de fundos”.

A maior parte deste orçamento, 400 mil euros, destina-se a “comícios e espetáculos” e 250 mil vão custear despesas com a conceção da campanha, agências de comunicação e estudos de mercado. Em cartazes e telas, o PS espera gastar 190 mil euros.

O PSD entregou uma estimativa de despesas de 890 mil euros e espera receber 790 mil euros da subvenção pública. No documento entregue pelo partido, destacam-se 200 mil euros para comícios e espetáculos e 275 mil euros para a propaganda.

A CDU espera gastar 850 mil euros na campanha, esperando receber 565 mil euros da subvenção pública e contribui com 265 mil euros para a candidatura. Nas despesas, 250 mil euros serão para propaganda, 175 mil em cartazes e telas e 125 mil para comícios e espetáculos.

O orçamento entregue pelo CDS-PP não prevê qualquer subvenção pública ou angariação de fundos, contando com 312 mil euros da contribuição do partido para as despesas da campanha, dos quais 100 mil euros em “custos administrativos”, 75 mil euros para telas e cartazes, 55 mil euros para comícios e espetáculos e 40 mil euros para a conceção da campanha.

O Bloco de Esquerda prevê gastar 570.200 euros, dos quais espera ser reembolsado com 400 mil euros da subvenção estatal. Quanto a gastos, dividem-se entre 255 mil euros para comícios, 70 mil em cartazes e telas, 20 mil euros na conceção da campanha e 90 mil euros em propaganda impressa e digital.

Sem representação no Parlamento Europeu, o PAN apresentou um orçamento de 78.410 euros, que espera receber de subvenção pública, para as despesas da campanha.

Entre os pequenos partidos, a coligação “Basta” apresentou um orçamento de 500 mil euros, esperando obter 400 mil euros em “angariação de fundos”. Deste montante, 190 mil euros são destinados a comício e espetáculos.

O partido Aliança também espera receber 350 mil euros da subvenção estatal, o valor que apresentou para pagar as despesas de campanha, destacando-se 48 mil euros que para “brindes e outras ofertas”.

O orçamento mais baixo foi entregue pelo PTP – Partido Trabalhista Português, que tem mil euros para gastar na campanha das europeias, enquanto o PNR entregou uma estimativa de 1800 euros.

O Livre conta gastar 11.650 euros na campanha, destinando 4650 para a propaganda e comunicação impressa e digital, 3000 euros em cartazes e telas.

O Partido Democrático Republicano entregou um orçamento de 62.500 euros, o PURP de cinco mil euros e a Iniciativa Liberal de 28 mil euros. O primeiro partido a aparecer nos boletins de voto a 26 de maio, PCTP-MRPP, entregou um orçamento de 16 mil euros.

Nas europeias de 2014, os 16 partidos concorrentes entregaram orçamentos de gastos de campanha num total de 4,2 milhões de euros, um pouco inferior às previsões para as europeias do próximo mês de maio.

As contas da campanha das europeias de 2014 ainda não foram fiscalizadas pela ECFP. De acordo com a lei, nestas eleições, os partidos e coligações concorrentes poderiam gastar até cerca de três milhões de euros na campanha eleitoral.

O limite máximo de despesas é de 300 vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais por cada candidato apresentado, com uma redução de 20%, fixando assim para 21 candidatos efetivos e o máximo de suplentes, oito, um teto de 3.032,889 euros.

O valor da subvenção pública para a cobertura com as despesas da campanha é de 4.357.600 euros, correspondendo a 10 mil vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais. Do total, 20% são igualmente distribuídos pelos partidos e candidaturas e os restantes 80% são distribuídos na proporção dos resultados eleitorais obtidos.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Another brick in the wall?

Maria Castello Branco

Como todos os que desfrutaram da liberdade de circulação e do Erasmus bem sabem, a Europa é o pluralismo de nações, mas ela está demasiado centralizada e burocrática para que a diversidade seja ouvida

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela
105

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)