União Europeia

UE esboça taxas de retaliação às ajudas à Boeing num valor superior a 10 mil milhões de euros

Os produtos norte-americanos serão taxados quando entrarem na Europa e lista vai desde aviões e químicos a peixe e ketchup. A medida visa punir os EUA pelos apoios ilegais à Boeing.

O caso remonta a 2005

EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Comissão Europeia divulgou esta quarta-feira uma lista provisória de produtos norte-americanos sobre os quais a União Europeia poderá aplicar taxas, num valor global superior a 10 mil milhões de euros, como compensação pelos apoios ilegais dos Estados Unidos à Boeing.

Depois de a Organização Mundial do Comércio (OMC) ter concluído que os Estados Unidos violaram efetivamente regras comerciais com apoios ilegais à fabricante Boeing, prejudicando a Airbus, a Comissão Europeia, com base nesta “sentença” que põe fim a uma disputa de 14 anos em torno do setor aeronáutico, abriu esta quarta-feira uma consulta pública, até 31 de maio, para decidir quais os artigos norte-americanos que poderão ser taxados à entrada em território europeu.

A vasta lista esta quarta-feira publicada pelo executivo comunitário, que abrange os mais diversos produtos, desde aviões e químicos a produtos agroalimentares, como peixe congelado e até ketchup, representam, no total, cerca de 20 mil milhões de dólares de exportações dos Estados Unidos para a União Europeia (aproximadamente 17,7 mil milhões de euros).

A Comissão lembra esta quarta-feira que, numa fase anterior da disputa em sede da OMC, a UE pediu autorização para a adoção de contra medidas no valor de 12 mil milhões de dólares (cerca de 10 mil milhões de euros), o equivalente aos prejuízos causados até então à Airbus pelos apoios ilegais concedidos pelos Estados Unidos à Boeing.

“Cabe agora a um árbitro designado pela OMC determinar o nível exato apropriado de contra medidas”, indica o executivo comunitário, apontando que a lista final de produtos norte-americanos a serem taxados será decidida com base na consulta pública esta quarta-feira lançada e no montante que a OMC vier a considerar justo.

Garantindo que a UE não quer entrar numa lógica de “olho por olho, dente por dente”, a comissária europeia do Comércio, Cecília Malmström, justificou todavia a necessidade de elaborar esta lista de “contra medidas” para a eventualidade de o conflito não ser resolvido através do diálogo, a via que, garantiu, a União Europeia continua a privilegiar.

A disputa entre UE e EUA em torno dos apoios concedidos à Boeing remonta a 2005, tendo o caso sido reaberto após os norte-americanos terem continuado a subsidiar a empresa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

O Roteiro dos Quatro Presidentes

António Covas

É esta acumulação de riscos, esta “desesperança no futuro”, onde o elevador social parece não funcionar, que estão a minar, a pouco e pouco, a confiança nas instituições e a criar o azedume político.

Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)