Angola

Ativistas manifestam-se junto ao parlamento de Angola a pedir autárquicas em todo o país

Vários ativistas angolanos que exigem a realização simultânea das primeiras eleições autárquicas em todos os municípios manifestam-se frente ao parlamento

Duas das propostas de lei sobre as autarquias são iniciativa da UNITA, maior força da oposição em Angola

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de três dezenas de ativistas angolanos estão desde as 08:30 locais (mesma hora em Lisboa) a manifestar-se diante do parlamento, exigindo a realização “simultânea” em todos os municípios das primeiras eleições autárquicas em Angola previstas para 2020.

O protesto coincide com a abertura de nova sessão parlamentar, na qual os deputados vão analisar e aprovar na generalidade o pacote legislativo destinado a conformar todo o processo das autárquicas angolanas, que o governo pretende realizar apenas em alguns dos 164 municípios do país, enquanto a oposição exige que a votação ocorra em todas as autarquias.

Fernando Gomes, responsável da associação Agir, ligada à sociedade civil, disse à agência Lusa que, caso os deputados, maioritariamente do MPLA, votem a favor da proposta do governo irão “apelar ao boicote”, assegurando que a votação tem de ter em conta também candidatos independentes, fora das esferas partidárias.

Parlamento angolano inicia discussão do pacote legislativo autárquico

Os deputados vão apreciar e votar, na generalidade, nove propostas de lei sobre as autarquias, duas delas iniciativa da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), maior força da oposição em Angola, as leis da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais e das Finanças Locais.

Do pacote legislativo autárquico constam também as leis Orgânica sobre as Eleições Autárquicas, Transferências de Atribuições e Competências do Estado para as Autarquias Locais e sobre a Organização e Funcionamento das Autarquias Locais, iniciativas do executivo.

Da agenda constam também as propostas de Lei sobre o Regime Financeiro das Autarquias Locais, do Regime Geral das Taxas das Autarquias Locais, da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais e sobre a Institucionalização das Autarquias Locais.

O gradualismo eleitoral é uma questão que divide o partido no poder, Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), e a UNITA, com o executivo a defender a realização da votação, numa primeira fase, apenas nalguns municípios, que ainda não explicitou, enquanto o “Galo Negro” defende a realização simultânea das autárquicas em todos os 164 municípios em que o país se divide administrativamente.

Isso mesmo foi reafirmado a 28 de março último pelo líder parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, que considerou a divergência como a “maior separação” que o partido tem face ao Governo (liderado pelo MPLA), que defende a realização gradual das eleições, numa primeira fase, em 2020, a segunda em 2025 e a terceira em 2030.

O MPLA, pela voz do seu líder parlamentar, Américo Kuononoka, disse no mesmo dia que o partido tem em conta, em primeira instância, o cumprimento da Constituição, que prevê o gradualismo nas autárquicas, argumentando que o facto de Angola ter passado por longos anos de guerra, atrasou o desenvolvimento e a presença do Estado em muitas das regiões angolanas.

Para Américo Kuononoka, o “mais sensato é fazer uma experiência piloto”, lembrando que as autarquias devem estar capazes para ter uma gestão, arrecadação de recursos de sobrevivência e recursos humanos, o que não se verifica ainda.

Em julho do ano passado, os bispos católicos angolanos pediram a realização de “autarquias supramunicipais ou inframunicipais”, exortando para o “respeito do princípio da igualdade e universalidade”, porque “não se justifica que se façam autarquias nalguns municípios e noutros não”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)