Finanças

Revista ‘Fortune’ coloca Horta-Osório entre os 50 grandes líderes mundiais

672

Presidente-executivo do Lloyds ocupa a 41ª posição da lista dos 50 Grandes Líderes da 'Fortune'. A revista norte-americana destaca a luta de Horta-Osório contra problemas de saúde mental.

Presidente-executivo do Lloyds ocupa a 41ª posição da lista dos 50 Grandes Líderes da Revista 'Fortune'

ANDY RAIN/EPA

Há um português na lista dos 50 grandes líderes mundiais para a revista Fortune: António Horta-Osório. A lista da revista norte-americana destaca personalidades que, a nível mundial, “estão a transformar o mundo e a inspirar outros a fazerem o mesmo” e é composta por figuras das finanças, da política, das artes e, até, do desporto. O presidente-executivo da Lloyds surge na 41ª posição.

Uma das características que a Fortune decidiu destacar para justificar a escolha do empresário português foi o facto de ter assumido publicamente as dificuldades por que passou na luta contra um esgotamento. Segundo a publicação, esta atitude, que descrevem também como um sinal dos tempos, “ajudou a pôr fim a um estigma numa área [a financeira] que é conhecida por levar as pessoas a atingirem o limite”.

A revista destaca ainda a coragem subjacente a esta tomada de posição pública. “Ele não sabia o que iria acontecer depois de assumir isso”, sublinha o texto da Fortune.

O gestor português, que faz parte desta lista pela primeira vez, está à frenta do Lloyds desde 2011. Antes, passou pela liderança do Abbey, do grupo Santander, assim como pela presidência executiva do banco Santander Totta.

No primeiro lugar da lista surgem Bill e Melissa Gates. Não pela sua fortuna mas pelo destino que lhe deram. Ou melhor: por parte desse património ter sido direcionado para projetos sociais da Fundação Gates, criada por ambos. O segundo lugar é ocupado pela primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, pela atitude que adotou na sequência dos ataques a mesquitas no país, na cidade de Christchurch, no mês de março.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

E Berardo deixou-os nús /premium

Helena Matos
1.235

A fúria dos seus parceiros nasce não do que Berardo fez mas sim daquilo que expôs sobre eles e como exercem o poder. Do BCP ao CCB, Berardo, o capitalista de Estado, é a outra face do socialismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)