Rádio Observador

Ucrânia

Ucrânia. Ator que foi presidente em série da TV lidera sondagens para as eleições presidenciais

Não tem experiência política, não dá entrevistas e não entra em debates. Volodymyr Zelensky foi eleito presidente em série televisiva e agora pode destronar o líder da Ucrânia nas eleições de domingo.

Volodymyr Zelenskiy tem 41 anos e tem preconizado uma "campanha" peculiar

Getty Images

As mais recentes sondagens mostram que o ator e comediante Volodymyr Zelenskiy pode vencer de forma esmagadora as eleições presidenciais da Ucrânia este domingo, de acordo com informação transmitida pelo jornal britânico The Guardian.

Uma sondagem feita no início desta semana deu a Zelenskiy, que não tem qualquer experiência na política, 72% dos votos, contra 25% a favor do atual presidente. Na primeira volta, a 31 de março, o candidato já tinha ultrapassado o atual presidente, Petro Poroshenko, e a ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko.

Zelenskiy é conhecido pela séria televisiva “Servos do Povo”, onde interpreta um professor de História que vence as eleições presidenciais de forma surpreendente. Agora, a ficção pode tornar-se realidade.

Com um atuação política vista como fora de moda, Poroshenko tem cada vez menos apoiantes na Ucrânia. O povo culpa o presidente pelo atual estado atrasado do país, que se vê ainda a contas com inúmeros casos de corrupção. Pelo contrário, Volodymyr Zelenskiy tem ganho popularidade entre o povo ucraniano, cultivando a mensagem de que os políticos podem ser diferentes.

Pouco se sabe acerca das ideologias políticas de Volodymyr Zelenskiy. O candidato não apostou numa campanha eleitoral tradicional, tem recusado conceder entrevistas aos media ucranianos e não participa em debates tradicionais. No entanto, é conhecida a sua vontade de instaurar uma democracia direta. Ivan Bakanov, chefe da equipa de Zelenskiy, assegurou que os objetivos do candidato passam também pela resolução dos conflitos no leste do país, negociando com a Rússia.

A campanha tem sido marcada por episódios peculiares. No início deste mês, os candidatos fizeram um despiste de drogas, por insistência do comediante.

Um comediante a fazer sucesso na política não é inédito na Europa.  Em 2010, o comediante italiano Beppe Grillo iniciou um movimento político denominado Movimento 5 Stelle (em português, Movimento 5 Estrelas). O comediante pretendia apenas transmitir na internet os seus ideais políticos e a vontade de instaurar no país uma democracia direta. Mas o Movimento cresceu e deu origem a um partido. Em 2013, o M5S obteve 25,5% dos votos na eleições gerais para a Câmara dos Deputados. O MS5 tem hoje lugar no Parlamento Europeu e faz parte da coligação que apoia o Governo.

A sondagem ucraniana foi publicada esta quinta-feira, um dia antes de um crucial debate que irá opor esta sexta-feira Poroshenko e Zelenskiy no Estádio Olímpico de Kiev, com 70.000 lugares. O comediante ofereceu bilhetes aos seus apoiantes e anunciou no Twitter que após meia hora, 12.000 lugares tinham sido ocupados. O presidente ucraniano também apelou aos seus apoiantes uma mobilização nacional. O debate já tinha estado marcado para o dia 14 de abril, mas Zelenskiy não apareceu.

Se marcar presença na segunda tentativa, o derradeiro debate pode vir a ser decisivo para o resultado das eleições, que ocorrem já este domingo. Se vencer, o comediante de 41 anos substitui Petro Poroshenko na presidência da Ucrânia, cargo que ocupa desde 2014.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)