Acidentes e Desastres

Autópsias às vítimas de queda de autocarro na Madeira concluídas. Um dos feridos já está na Alemanha

110

O Ministério da Justiça aguarda agora "os dados ante mortem (impressões digitais, fichas dentárias e outros)" das vítimas. Entretanto, um dos feridos já está na Alemanha e outros 12 vão no sábado.

AFP/Getty Images

O Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) e a Polícia Judiciária (PJ) já concluíram as autópsias e recolheram “os dados post mortem” das 29 pessoas que morreram na passada quarta-feira, 17 de abril, quando o autocarro de turismo em que iam caiu na zona de Caniço, no concelho de Santa Cruz, ilha da Madeira. A informação foi avançada pelo Ministério da Justiça em comunicado.

Com este processo concluído, aguardam-se agora “os dados ante mortem (impressões digitais, fichas dentárias e outros) por parte das autoridades alemãs”, a que o Ministério da Justiça espera aceder “durante o dia de amanhã”. Estes elementos em falta “são necessários para comparação e confirmação das identidades” das vítimas, lê-se  ainda.

O acidente aconteceu quando um autocarro saiu da estrada, na zona do Caniço, e caiu sobre uma habitação. Deram entrada no hospital 28 feridos. Entretanto, 11 tiveram alta, uma faleceu e 16 continuam internadas (dois são portugueses e os restantes alemães). Das 29 vítimas mortais, 11 eram homens e 18 mulheres de nacionalidade alemã.

Feridos transferidos para Alemanha no sábado

De acordo com o médico Miguel Reis, adjunto da direção clínica do hospital do Funchal, em conferência de imprensa, “está tudo preparado” para que a transferência de 12 doentes para a Alemanha comece pelas 08h30 de sábado e termine cerca de duas horas depois. O responsável adiantou ainda que “um dos feridos já foi hoje transferido” e um outro irá continuar internado em Portugal.

A outra vítima, que irá permanecer no serviço de internamento do hospital Dr. Nélio Mendonça, não será transferida por razões clínicas”, adiantou.

Miguel Reis salientou ainda que a responsabilidade desta operação de transferência será “partilhada entre o Serviço Regional de Saúde (SESARAM) e o Serviço Regional de Proteção Civil (SRPC), que irão disponibilizar meios materiais e recursos humanos”.

Relativamente aos dois feridos portugueses, Miguel Reis disse que a situação está “a evoluir de forma estável e, para já, não há uma data prevista de alta para estes pacientes”.

A presidente do Conselho de Administração do SESARAM, Tomásia Alves, adiantou que foram desativadas as linhas telefónicas portuguesas do gabinete de apoio às vítimas e familiares — 291 705 659, 291 705 778 e 291 705 679 -, continuando a funcionar a linha criada para este efeito a partir da Alemanha (030 5000 2000).

A responsável manifestou mais uma vez “sentidas condolências pelo falecimento das 29 vítimas e pesar pelo sofrimento causado a todas as vítimas, familiares e amigos”.

O embaixador da República Federal da Alemanha em Lisboa, Cristof Weil, que também esteve presente na conferência, agradeceu a solidariedade do Presidente da República e do Governo português e de todas as pessoas envolvidas, com particular destaque à equipa do Hospital Dr. Nélio Mendonça. “Fizeram um trabalho fabuloso”, declarou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)