Rádio Observador

Acidentes e Desastres

Autópsias às vítimas de queda de autocarro na Madeira concluídas. Um dos feridos já está na Alemanha

110

O Ministério da Justiça aguarda agora "os dados ante mortem (impressões digitais, fichas dentárias e outros)" das vítimas. Entretanto, um dos feridos já está na Alemanha e outros 12 vão no sábado.

AFP/Getty Images

O Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) e a Polícia Judiciária (PJ) já concluíram as autópsias e recolheram “os dados post mortem” das 29 pessoas que morreram na passada quarta-feira, 17 de abril, quando o autocarro de turismo em que iam caiu na zona de Caniço, no concelho de Santa Cruz, ilha da Madeira. A informação foi avançada pelo Ministério da Justiça em comunicado.

Com este processo concluído, aguardam-se agora “os dados ante mortem (impressões digitais, fichas dentárias e outros) por parte das autoridades alemãs”, a que o Ministério da Justiça espera aceder “durante o dia de amanhã”. Estes elementos em falta “são necessários para comparação e confirmação das identidades” das vítimas, lê-se  ainda.

O acidente aconteceu quando um autocarro saiu da estrada, na zona do Caniço, e caiu sobre uma habitação. Deram entrada no hospital 28 feridos. Entretanto, 11 tiveram alta, uma faleceu e 16 continuam internadas (dois são portugueses e os restantes alemães). Das 29 vítimas mortais, 11 eram homens e 18 mulheres de nacionalidade alemã.

Feridos transferidos para Alemanha no sábado

De acordo com o médico Miguel Reis, adjunto da direção clínica do hospital do Funchal, em conferência de imprensa, “está tudo preparado” para que a transferência de 12 doentes para a Alemanha comece pelas 08h30 de sábado e termine cerca de duas horas depois. O responsável adiantou ainda que “um dos feridos já foi hoje transferido” e um outro irá continuar internado em Portugal.

A outra vítima, que irá permanecer no serviço de internamento do hospital Dr. Nélio Mendonça, não será transferida por razões clínicas”, adiantou.

Miguel Reis salientou ainda que a responsabilidade desta operação de transferência será “partilhada entre o Serviço Regional de Saúde (SESARAM) e o Serviço Regional de Proteção Civil (SRPC), que irão disponibilizar meios materiais e recursos humanos”.

Relativamente aos dois feridos portugueses, Miguel Reis disse que a situação está “a evoluir de forma estável e, para já, não há uma data prevista de alta para estes pacientes”.

A presidente do Conselho de Administração do SESARAM, Tomásia Alves, adiantou que foram desativadas as linhas telefónicas portuguesas do gabinete de apoio às vítimas e familiares — 291 705 659, 291 705 778 e 291 705 679 -, continuando a funcionar a linha criada para este efeito a partir da Alemanha (030 5000 2000).

A responsável manifestou mais uma vez “sentidas condolências pelo falecimento das 29 vítimas e pesar pelo sofrimento causado a todas as vítimas, familiares e amigos”.

O embaixador da República Federal da Alemanha em Lisboa, Cristof Weil, que também esteve presente na conferência, agradeceu a solidariedade do Presidente da República e do Governo português e de todas as pessoas envolvidas, com particular destaque à equipa do Hospital Dr. Nélio Mendonça. “Fizeram um trabalho fabuloso”, declarou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)