Rádio Observador

Combustível

Há centenas de postos de abastecimento ainda sem combustível

Presidente da ANAREC diz que reposição está a decorrer "a bom ritmo" mas a situação ainda não está totalmente normalizada. Agora é a gasolina que falta em mais locais.

JOAO RELVAS/LUSA

Cerca de 24 horas após o fim da greve dos motoristas de matérias perigosas, o país caminha a “bom ritmo” para a normalidade, diz o presidente da ANAREC, a associação dos revendedores de combustíveis. Porém, de norte a sul de Portugal, ainda há centenas de postos de abastecimento onde não existe um ou mais tipos de combustível — e, agora, é mais a gasolina que está a escassear, porque se deu prioridade ao gasóleo nos primeiros reabastecimentos após o fim da greve.

Se é verdade que acabaram as filas para abastecer, é igualmente verdade que ainda há centenas de bombas sem combustível. Durante a manhã deste feriado, há registo de vários postos encerrados e outros a funcionar a meio gás. A gasolineira Prio, que tem 250 pontos em Portugal, garantiu esta sexta-feira que já tem abastecimento normalizado em metade destes postos.

O presidente da Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis (ANAREC), Francisco Albuquerque, garantiu em declarações à Lusa que a reposição dos combustíveis está a decorrer a “bom ritmo”. “A reposição dos stocks está a decorrer de forma absolutamente normal, a bom ritmo, com transportes reforçados, segundo informação que tivemos, nalguns casos” garantiu o presidente da Associação. Francisco Albuquerque espera que “no início da próxima semana, a situação esteja completamente normalizada”.

O fim da greve não significa, como é óbvio, a normalização imediata desta situação de falta de combustível. É normal que possa haver ainda nas próximas horas alguma limitação de abastecimento em alguns postos para viaturas não prioritárias. O que é importante, neste momento, é que conforme esperado a reposição dos stocks está a decorrer de uma forma normal e a bom ritmo, inclusive em algumas situações temos indicações de reforço de transportes”, disse o responsável, sinalizando que “já não se verificam filas para abastecimento nos postos”.

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas afirmou esta quinta-feira à Lusa que repor a situação existente antes do início da greve poderia demorar até cinco dias. “Acreditamos que [regularizar] tudo, portanto uma situação igual à existente antes do início da greve, poderá demorar até cerca de cinco dias, mas grande parte das situações estarão regularizadas antes disso”, disse à Lusa António Comprido, da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro).

O responsável adiantou que “a partir de sexta-feira já deverá haver uma situação normal em muitos casos, mas a totalidade só depois do fim de semana”. E “admitindo que se vai trabalhar — e temos indicação que isso vai acontecer — durante o fim de semana”, salientou. “As informações que nos chegam das associadas é que estão a trabalhar em termos de planeamento de cargas para que rapidamente, a partir desta tarde, se retome a normalidade dos abastecimentos e até que isso seja feito com um reforço ao longo dos próximos dias para repor a situação o mais depressa possível”, afirmou o responsável da Apetro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)