Rádio Observador

Celebridades

Casamento de Adele com o empresário Simon Konecki chegou ao fim

A cantora britânica anunciou em 2017 que estava casada com o empresário Simon Konecki, de quem tem um filho de sete anos. O anúncio da separação foi feito pelos agentes de Adele.

Em 2017, a cantora e compositora britânica também anunciou que iria deixar de fazer digressões

Getty Images

A cantora Adele separou-se do marido Simon Konecki, com quem tem um filho de sete anos, Angelo, anunciaram os agentes Benny Tarantini e Carl Fysh na sexta-feira. No email citado pelo The Guardian, os agentes afirmam: “Adele separou-se do companheiro. Estão empenhados em criar o filho juntos, com amor. Como sempre, pedem privacidade. Não haverá mais comentários”.

Apesar do sucesso, Adele tem sido bastante discreta em relação à sua vida pessoal. Só em 2017 se soube que era casada com o pai do filho. Foi a própria que o anunciou a meio de um concerto, na Austrália. Já antes, na gala dos Grammys em que foi distinguida nas três categorias mais importantes — “Disco”, “Álbum” e “Canção do ano” –, a estrela pop agradeceu “agradeceu ao marido e ao filho”. Até esse momento, a cantora britânica nunca tinha falado publicamente sobre a sua vida amorosa.

Depois de muito se especular, Adele confessou: “Sou casada”

Simon Konecki tem 45 anos e é cofundador da Life Water, uma marca britânica de garrafas de água amigas do ambiente, e gere uma associação sem fins lucrativos, a Drop4Drop, que ajuda a fornecer água potável a países em vias de desenvolvimento. A BBC conta que, até 2005, o ex-marido de Adele trabalhou no banco de investimento que faliu em 2008, o Lehman Brothers.

Em 2017, a cantora e compositora britânica também anunciou que iria deixar de fazer digressões. Anunciou o fim dos concertos à mão numa carta, que depois foi reproduzida em vários panfletos distribuídos durante os últimos concertos que deu no estádio de Wembley, em Londres.

Andar em digressão é estranho e não combina muito comigo. Sou uma pessoa muito caseira e encontro muita alegria nas pequenas coisas. Para além disso, sou dramática e tenho um historial terrível com digressões. Pelo menos até agora”, pode ler-se na carta.

A 30 de março, contudo, foi vista e fotografada a entrar num estúdio de gravação de discos em Nova Iorque, abrindo a porta aos rumores de que estaria a trabalhar num novo álbum. O seu terceiro disco, “25”, bateu o recorde de 800 mil cópias vendidas na sua primeira semana e tornou-se no disco mais vendido de 2015.

Até 2 de julho de 2017, Adele esteve em digressão a promover o “25”. A cantora deu 123 concertos na Europa, Estados Unidos, e também na Austrália. “Só fiz esta digressão por vocês [fãs], na esperança de poder deixar-vos o mesmo impacto que alguns dos meus artistas favoritos deixaram na minha vida”, escreveu a cantora e compositora britânica

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)