Rádio Observador

Fado

Museu do Fado lança oficina da guitarra portuguesa na terça-feira

131

Museu do Fado, em Lisboa, inaugura na terça-feira a Oficina da Guitarra Portuguesa, onde vai efetuar-se, de maio a setembro próximos, um curso de construção de instrumentos, e vários 'workshops'.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Museu do Fado, em Lisboa, inaugura na terça-feira a Oficina da Guitarra Portuguesa. O curso de construção de guitarras inicia-se só no ano letivo de 2019/2020, mas de maio a setembro próximos haverá já uma programação regular de ateliers e workshops em torno das diferentes etapas de construção de uma guitarra portuguesa

O projeto, explicou a diretora do museu, Sara Pereira, “é dar ferramentas e conhecimentos de áreas tão distintas como os vernizes, o tipo de cola a usar, os leques [parte final do braço da guitarra, onde se prendem as cordas], a história da guitarra, as madeiras, o seu comportamento na construção do instrumento, a organologia, de modo a [os participantes] desenvolverem esta arte de uma forma consolidada”.

Esta oficina inscreve-se nos quesitos da classificação do Fado como Património Cultural Imaterial da Humanidade (2011), e “é um passo importante e fundamental salvaguardar esta herança, e aprofundar domínios de estudos que não têm estado devidamente desenvolvidos”.

“Vão aprender a construir guitarras portuguesas, algumas violas, e ter aprendizagem para os iniciados e também um nível de aperfeiçoamento”, disse à agência Lusa Sara Pereira, referindo que a oficina “marca o regresso desta arte tradicional ao centro histórico de Lisboa”, no bairro de Alfama. A oficina terá espaços de construção, projeção de filmes, postos de consulta sobre ‘guitarreiros’ (construtores de guitarras) e guitarristas, e uma loja para a venda de instrumentos e acessórios para a guitarra portuguesa.

A área da formação especializada, em torno dos elementos integrantes da guitarra portuguesa, incluirá cursos de construção de leques, entalhamento de volutas (a finalização do braço em forma de caracol ou lágrima), a modelação das ilhargas (parte lateral que faz a ligação entre o tampo e as costas), o afagamento, polimento, aplicação de escala e trastos, conservação e restauro, entre outros temas.

O corpo docente inclui guitarreiros, violeiros, entalhadores, técnicos de conservação e restauro, músicos e investigadores. Os guitarreiros Gilberto Grácio e Óscar Cardoso, o guitarrista Pedro Caldeira Cabral e Rita Marcelino, a única mulher construtora de leques para guitarra portuguesa, são alguns dos formadores dos ateliês. Esta oficina é “uma homenagem às duas grandes escolas tradicionais na arte da construção da guitarra portuguesa, a de Gilberto Grácio e a de Óscar Cardoso, iniciada por Álvaro da Silveira”, disse a responsável.

A oficina, adiantou à Lusa Sara Pereira, pretende vir a fazer parte do sistema de ensino artístico.

A inauguração da oficina, na terça-feira, às 17:00, contará as atuações de duas orquestras de guitarras: a primeira, dirigida por Pedro de Castro, na Rua de S. Pedro, “que contará com dezenas de instrumentistas, cada um com o seu instrumento de diferentes escolas”, e, às 19:00, no Largo do Chafariz de Dentro, também em Alfama, de uma de sete guitarristas dirigida por Paulo Soares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)